Siga-nos

Você viu?

39

Tempo estimado para a leitura: 1minuto(s) e 30segundo(s).

Baratas estão se tornando imunes a inseticidas, diz estudo

Um estudo concluiu que a barata está nascendo imune a produtos químicos e venenos

ubiie Redação

Publicado

em

Uma pesquisa da Universidade de Purdue, dos EUA, constatou que as baratas estão ficando mais fortes. Publicado na revista científica Live Science, o estudo concluiu que a “barata alemã”, comum em todo o mundo, está nascendo imune a produtos químicos e venenos com os quais não teve contato.

“Baratas que desenvolvem resistência aos múltiplos inseticidas de uma só vez tornarão o controle dessas pragas apenas com produtos químicos quase impossível”, diz Michael Scharf, que liderou o estudo.

A pesquisa foi realizada em diferentes prédios com infestações de baratas nas regiões centrais de Illinois e Indiana (Estados Unidos), e nos laboratórios da universidade de Purdue. Mesmo usando diferentes tipos de sprays e múltiplas gerações de baratas, a conclusão foi a mesma.

Os insetos imunes a múltiplos venenos acabam se tornando um problema aos exterminadores, que costumam usar um coquetel de diferentes inseticidas para que, caso um inseto seja imune a um tipo de inseticida, outro tipo pode derrubá-lo.

Segundo o relatório da Universidade, serão necessárias mais armadilhas do que produtos químicos para evitar que as “baratas imunes” espalhem suas bactérias e doenças, ainda mais considerando que uma barata alemã pode colocar 400 ovos em sua vida.

1
0
Clique para comentar
Publicidade

Você viu?

Brasileiros em Portugal não pensam em voltar

O número de brasileiros vivendo em Portugal cresceu 29,7% no último ano

ubiie Redação

Publicado

em

São megainvestidores milionários, estudantes, empresários, escultores de areia, motoristas de aplicativo, artistas, desempregados. São brasileiros, em Portugal. Números e relatos obtidos pelo Estado mostram “zucas” (como se tratam e são chamados pelos lusitanos) de todas as idades e classes sociais, fazendo a rota oposta da invasão à América – repetindo as desigualdades sociais e os desafios do outro lado do Atlântico. Mas sem pensar em voltar.

O Serviço de Imigração e Fronteiras (SEF) registrou em 2018 acréscimo da população estrangeira residente, que chegou a 480.300, maior número da série iniciada em 1976. Só que os “zucas” já são um em cada cinco: 105.423. Dois anos antes, eram 81.251, um avanço de 29,7%.

Dados solicitados pela reportagem ao SEF mostram que os brasileiros residentes em Portugal têm um perfil bem mais feminino e no auge da idade, quando se fala em capacidade produtiva, entre 30 e 44 anos. No total, registraram-se 42.848 homens e 62.575 mulheres. Desse grupo, 43.396 (41,16%) estão nessa faixa etária.

O advogado Luiz Ugeda, do escritório Porto Advogados, explica que o país europeu, com uma população envelhecida, precisa de mão de obra qualificada. Já do ponto de vista do Brasil, “há um desconforto de certas camadas da população brasileira com a crise que o País vive”. “Não só a econômica e política, mas a de valores mesmo. Tem muita gente qualificada, dos meios acadêmicos, profissionais liberais e empresários.”

Dessa forma, os que chegam têm um perfil diferente de fluxos migratórios anteriores – em 2012, havia praticamente o mesmo número de residentes “zucas” (105.622). “Você continua tendo profissionais que se submetem a subempregos, que buscam qualquer meio de sobrevivência, mas há também os qualificados.”

Só o Aeroporto de Lisboa, a capital, recebe diariamente 12 ligações aéreas provenientes do Brasil. Entre quem não está a turismo, grande parte já fica por ali mesmo. Na sua maioria, esses cidadãos passam a residir nos distritos de Lisboa (42.847), Porto (12.994) e Setúbal (10.728), onde há mais oferta de empregos. Os brasileiros já estão entre os estrangeiros que mais investem na antiga “metrópole” europeia. Em 2017, responderam por 19% dos investimentos (atrás só dos franceses, com 29%).

Mercado imobiliário

E a chegada de estrangeiros procurando residência sobretudo em Lisboa já é apontada como um dos fatores que colabora para a “crise” do mercado imobiliário (falta de moradias). Além disso, a alta do turismo está transformando diversos imóveis em locais de estadia temporária (como o Airbnb). Muita procura e pouca oferta fazem os preços dos aluguéis dispararem.

“Está difícil encontrar casas a preços acessíveis. Além disso, para brasileiros, muitas vezes os locadores exigem 12 aluguéis adiantados”, alerta Cyntia de Paula, presidente da associação Casa do Brasil, que dá orientações aos recém-chegados. Entre 2013 e 2018, os preços dos imóveis cresceram 46%, de acordo com o grupo Confidencial Imobiliário.

Danilo Bethon, de 29 anos, produtor cultural, adotou Portugal como novo lar há dois anos e diz ter sido sempre tratado com muita cortesia. Contudo, teve dificuldade em alugar um apartamento por ser “zuca”. “Só de falar pelo telefone pedindo informação, percebiam o meu sotaque e diziam que o lugar já tinha sido alugado”, lembra. “Teve a dona de uma casa que, no dia de assinar o contrato, quando viu que eu era brasileiro, pediu seis alugueis adiantados de caução, em vez de dois. Não tinha todo esse dinheiro e não fizemos negócio.”

As principais razões invocadas para a concessão de novos títulos foram reagrupamento familiar – quando a mulher, ou muitas vezes o marido, vai na frente para a Europa e depois traz os demais – para trabalho e estudo. Além da alta de pedidos de residência, muitos brasileiros têm buscado a nacionalidade portuguesa, por casamento, por ter antepassados lusitanos, ou por autorização de residência antiga no país. Em 2018, 11.586 obtiveram o documento; no ano anterior, haviam sido 10.805.

E há um empoderamento feminino. “A imigração costuma ser associada ao homem, mas na verdade muitas mulheres buscam a mudança de país de forma autônoma”, afirma Cyntia. Segundo ela, contribui o fato de serem mais pobres e ganharem menos. “Elas imigram para buscar melhor qualidade de vida, de trabalho e de estudo.” Ugeda levanta ainda a hipótese de o fator segurança sensibilizar mais as mulheres. “Isso faz com que busquem Portugal como projeto de vida e tenham porcentual maior de regularização.”

Bem-estar, mais que ocupação

A queda no desemprego (de 17,3% há seis anos para 6,6% agora) é sempre citada como atrativo para Portugal. Mas há quem não se preocupe com isso. “Nossa família levava uma vida confortável: morávamos numa boa casa e as minhas filhas, de 10 e 14 anos, estudavam em colégio particular, tínhamos uma vida social movimentada”, afirma Nelson Pires da Costa, de 43 anos, que deixou o Rio no ano passado e seguiu para Cascais. Hoje, ele ainda não tem ocupação fixa – trabalhava com reboques no Brasil – e cogita partir para o Uber, mas não pensa em voltar. “Minha filha mais velha, que no Rio não andava nem um quarteirão por medo, agora vai sozinha para a escola.”

Gilda Pereira, sócia da Ei! Assessoria Migratória, conta que seus clientes sempre citam a segurança, as escolas e a saúde pública de qualidade como fatores que pesam. “Tive um cliente que teve câncer depois de chegar e se surpreendeu com a qualidade do atendimento no sistema público.”

Mesmo com o melhor mercado de empregos, não é fácil a colocação para um “zuca” – e em certas áreas o idioma ajuda menos do que se poderia esperar. “Tenho conseguido bons trabalhos em Portugal, mas sei que minhas possibilidades são limitadas porque o português que falo é o do Brasil. As duas personagens de novela que fiz eram brasileiras”, conta a atriz Thaiane Anjos, de 30 anos, que trocou o Rio por Lisboa há quatro anos. No País, atuou nas novelas Flor do Caribe, Além do Horizonte e Malhação, da Rede Globo.

Outro problema é a burocracia, como explica a publicitária Aline Camargo, de 34 anos, que foi para Lisboa há quatro anos e meio. Inicialmente, ela e o marido entraram na Europa como turistas, mas depois decidiram ficar e buscar trabalho remunerado. “Para conseguir a residência, há um processo que chegava a levar dois anos esperando a marcação da entrevista”, diz. Foi depois de ter filha em Portugal que ela correu atrás de regularizar a situação. “Consegui minha residência só este ano.”

Preconceitos

O fator discriminação também influencia, de algum modo, a comunidade de imigrantes. Segundo o Relatório Anual sobre a situação da Igualdade e Não Discriminação Racial e Étnica em Portugal, a nacionalidade brasileira, enquanto fator de discriminação na origem, surge na terceira posição, referida em 45 queixas, que representam 13% do total – no ano anterior, foram 18 casos. Em abril, teve repercussão internacional uma montagem feita na Universidade de Lisboa que “oferecia” pedras para atirar em “zucas”.

Só que até nesse ponto o fluxo migratório traz contradições bem brasileiras. É o caso da professora de circo Glaucia Manzzaneira, de 36 anos, que trocou São Paulo pelo Porto há sete meses. “A partir de 2016 comecei a sentir uma mudança no Brasil, uma liberação do discurso de ódio contra a comunidade LGBT.” Ela e a mulher passaram a ser alvo de xingamentos, brincadeiras e ameaças nas ruas. “Aqui (em Portugal) pode até haver algum preconceito, noto alguns olhares, mas ninguém ousa nos abordar nas ruas”, diz ela, que também foi vítima da crise econômica e teve de fechar a escola de circo que tinha. “Portugal foi um lugar que nos pareceu seguro e fácil para emigrar.”

0
0
Continuar lendo

Você viu?

Bezerro mutante nasce com 3 olhos e 2 focinhos na Argentina (VÍDEO)

Os habitantes do pequeno vilarejo argentino de Nasalo ficaram surpresos ao descobrir que um dos bezerros da região havia nascido com três olhos e dois focinhos.

ubiie Redação

Publicado

em

A julgar pelo vídeo, o animal nasceu com duas cabeças, uma colada à outra, mas com apenas duas orelhas, em vez de quatro.

A filmagem mostra as cabeças conjuntas da pobre criatura sendo seguradas por um fazendeiro.

Segundo relatos locais, o bezerro nasceu no dia 12 de junho e morreu poucas horas depois.

O bizarro incidente ocorreu em uma fazenda no pequeno vilarejo de Nasalo, localizado na província argentina de Santiago del Estero.

Alguns internautas comentaram o caso, sugerindo que a aparência era uma simples malformação, escreveu o tabloide britânico Daily Star.

“Eles são bezerros gêmeos siameses”, afirmou uma pessoa.

“Não é horrível, é uma simples malformação, é comum que isso aconteça em bezerros”, comentou um internauta, enquanto outro sugeriu que “isso é chamado de glifosato, é uma malformação típica causada por pesticidas”.

0
0
Continuar lendo

Você viu?

NASA explica por que americanos ainda não voltaram à Lua nem pousaram em Marte

O administrador da NASA, Jim Bridenstine, explicou à CBS por que é que os EUA suspenderam o seu programa espacial lunar e não pousaram em Marte.

ubiie Redação

Publicado

em

Segundo Bridenstine, isto deve-se a riscos políticos, pelos quais ele subentende a falta de financiamento. Ele acrescentou que, se não fosse isso, os americanos já estariam na Lua e em Marte.

Bridenstine disse que na década de 1990 e início dos anos 2000, a NASA tentou voltar à Lua e pousar em Marte, mas ambos os programas levaram muito tempo a preparar e implicavam gastos sérios. O administrador da NASA também observou que, pela mesma razão, o pouso em Marte, previsto para 2024, pode não se realizar.

Planos de Donald Trump

Recentemente, a administração de Donald Trump estabeleceu o objetivo de acelerar a implementação do programa lunar e enviar um homem para o satélite da Terra nos próximos 5 anos, em vez de 2028.

O programa espacial atualizado foi chamado de “Artemis” em honra da deusa grega da Lua. Segundo a mitologia, Artemis também era irmã de Apolo. Seu nome foi usado pelo programa lunar americano anterior, durante o qual, em julho de 1969, foi realizada a primeira viagem do homem à Lua.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
107,74
JPY +0,04%
3,75
BRL –0,02%
1EUR
Euro. European Union
=
120,87
JPY –0,04%
4,20
BRL –0,10%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
1.138.718,24
JPY –1,67%
39.613,12
BRL –1,74%

Tokyo
22°
Cloudy
MonTueWed
26/22°C
28/23°C
29/23°C

São Paulo
20°
Fair
SunMonTue
min 14°C
26/14°C
26/14°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana