Siga-nos

Você viu?

25

Tempo estimado para a leitura: 2minuto(s) e 36segundo(s).

Múmias de 2 mil anos são descobertas no Egito junto à pirâmide mais antiga do mundo (Foto)

A maioria das múmias foi enterrada com procedimentos muito simples, tendo sido submetidas a “procedimentos de embalsamento básicos”, afirmaram os especialistas.

ubiie Redação

Publicado

em

Uma equipe de arqueólogos poloneses descobriu dezenas de múmias com mais de 2.000 anos de idade no sítio arqueológico de Sacará, que foi a necrópole principal da cidade de Mênfis no Antigo Egito, informa o portal polonês The First News.

A descoberta aconteceu durante escavações que estavam sendo realizadas perto da pirâmide de Djoser. Os investigadores examinaram o fosso que rodeia a área sagrada da pirâmide, considerada uma das mais antigas do mundo e protótipo para as outras pirâmides egípcias.

Dezenas de múmias com 2.000 anos encontradas perto da pirâmide mais antiga do mundo

O portal polonês destaca que a maioria das múmias descobertas tinham sido enterradas de maneira simples.

“Só foram submetidas a procedimentos de embalsamento básicos, após isso foram embrulhadas em bandagens e colocadas diretamente em covas escavadas na areia”, disse Kamil Kuraszkiewicz, que lidera a equipe de trabalhos na necrópole.

Algumas foram colocadas em caixões de madeira que não resistiram ao decorrer do tempo. Em um destes caixões encontraram inscrições que imitam hieróglifos.

O especialista pensa que o fosso que rodeia a pirâmide pudesse refletir as crenças dos antigos egípcios sobre a vida depois da morte.

Poderia ser o modelo de um caminho que o faraó teria que fazer para alcançar a vida eterna, um caminho com obstáculos como muros e passagens localizadas perto da parte superior, que talvez fossem protegidas por criaturas perigosas.

0
0
Clique para comentar
Publicidade

Você viu?

Brasileiros em Portugal não pensam em voltar

O número de brasileiros vivendo em Portugal cresceu 29,7% no último ano

ubiie Redação

Publicado

em

São megainvestidores milionários, estudantes, empresários, escultores de areia, motoristas de aplicativo, artistas, desempregados. São brasileiros, em Portugal. Números e relatos obtidos pelo Estado mostram “zucas” (como se tratam e são chamados pelos lusitanos) de todas as idades e classes sociais, fazendo a rota oposta da invasão à América – repetindo as desigualdades sociais e os desafios do outro lado do Atlântico. Mas sem pensar em voltar.

O Serviço de Imigração e Fronteiras (SEF) registrou em 2018 acréscimo da população estrangeira residente, que chegou a 480.300, maior número da série iniciada em 1976. Só que os “zucas” já são um em cada cinco: 105.423. Dois anos antes, eram 81.251, um avanço de 29,7%.

Dados solicitados pela reportagem ao SEF mostram que os brasileiros residentes em Portugal têm um perfil bem mais feminino e no auge da idade, quando se fala em capacidade produtiva, entre 30 e 44 anos. No total, registraram-se 42.848 homens e 62.575 mulheres. Desse grupo, 43.396 (41,16%) estão nessa faixa etária.

O advogado Luiz Ugeda, do escritório Porto Advogados, explica que o país europeu, com uma população envelhecida, precisa de mão de obra qualificada. Já do ponto de vista do Brasil, “há um desconforto de certas camadas da população brasileira com a crise que o País vive”. “Não só a econômica e política, mas a de valores mesmo. Tem muita gente qualificada, dos meios acadêmicos, profissionais liberais e empresários.”

Dessa forma, os que chegam têm um perfil diferente de fluxos migratórios anteriores – em 2012, havia praticamente o mesmo número de residentes “zucas” (105.622). “Você continua tendo profissionais que se submetem a subempregos, que buscam qualquer meio de sobrevivência, mas há também os qualificados.”

Só o Aeroporto de Lisboa, a capital, recebe diariamente 12 ligações aéreas provenientes do Brasil. Entre quem não está a turismo, grande parte já fica por ali mesmo. Na sua maioria, esses cidadãos passam a residir nos distritos de Lisboa (42.847), Porto (12.994) e Setúbal (10.728), onde há mais oferta de empregos. Os brasileiros já estão entre os estrangeiros que mais investem na antiga “metrópole” europeia. Em 2017, responderam por 19% dos investimentos (atrás só dos franceses, com 29%).

Mercado imobiliário

E a chegada de estrangeiros procurando residência sobretudo em Lisboa já é apontada como um dos fatores que colabora para a “crise” do mercado imobiliário (falta de moradias). Além disso, a alta do turismo está transformando diversos imóveis em locais de estadia temporária (como o Airbnb). Muita procura e pouca oferta fazem os preços dos aluguéis dispararem.

“Está difícil encontrar casas a preços acessíveis. Além disso, para brasileiros, muitas vezes os locadores exigem 12 aluguéis adiantados”, alerta Cyntia de Paula, presidente da associação Casa do Brasil, que dá orientações aos recém-chegados. Entre 2013 e 2018, os preços dos imóveis cresceram 46%, de acordo com o grupo Confidencial Imobiliário.

Danilo Bethon, de 29 anos, produtor cultural, adotou Portugal como novo lar há dois anos e diz ter sido sempre tratado com muita cortesia. Contudo, teve dificuldade em alugar um apartamento por ser “zuca”. “Só de falar pelo telefone pedindo informação, percebiam o meu sotaque e diziam que o lugar já tinha sido alugado”, lembra. “Teve a dona de uma casa que, no dia de assinar o contrato, quando viu que eu era brasileiro, pediu seis alugueis adiantados de caução, em vez de dois. Não tinha todo esse dinheiro e não fizemos negócio.”

As principais razões invocadas para a concessão de novos títulos foram reagrupamento familiar – quando a mulher, ou muitas vezes o marido, vai na frente para a Europa e depois traz os demais – para trabalho e estudo. Além da alta de pedidos de residência, muitos brasileiros têm buscado a nacionalidade portuguesa, por casamento, por ter antepassados lusitanos, ou por autorização de residência antiga no país. Em 2018, 11.586 obtiveram o documento; no ano anterior, haviam sido 10.805.

E há um empoderamento feminino. “A imigração costuma ser associada ao homem, mas na verdade muitas mulheres buscam a mudança de país de forma autônoma”, afirma Cyntia. Segundo ela, contribui o fato de serem mais pobres e ganharem menos. “Elas imigram para buscar melhor qualidade de vida, de trabalho e de estudo.” Ugeda levanta ainda a hipótese de o fator segurança sensibilizar mais as mulheres. “Isso faz com que busquem Portugal como projeto de vida e tenham porcentual maior de regularização.”

Bem-estar, mais que ocupação

A queda no desemprego (de 17,3% há seis anos para 6,6% agora) é sempre citada como atrativo para Portugal. Mas há quem não se preocupe com isso. “Nossa família levava uma vida confortável: morávamos numa boa casa e as minhas filhas, de 10 e 14 anos, estudavam em colégio particular, tínhamos uma vida social movimentada”, afirma Nelson Pires da Costa, de 43 anos, que deixou o Rio no ano passado e seguiu para Cascais. Hoje, ele ainda não tem ocupação fixa – trabalhava com reboques no Brasil – e cogita partir para o Uber, mas não pensa em voltar. “Minha filha mais velha, que no Rio não andava nem um quarteirão por medo, agora vai sozinha para a escola.”

Gilda Pereira, sócia da Ei! Assessoria Migratória, conta que seus clientes sempre citam a segurança, as escolas e a saúde pública de qualidade como fatores que pesam. “Tive um cliente que teve câncer depois de chegar e se surpreendeu com a qualidade do atendimento no sistema público.”

Mesmo com o melhor mercado de empregos, não é fácil a colocação para um “zuca” – e em certas áreas o idioma ajuda menos do que se poderia esperar. “Tenho conseguido bons trabalhos em Portugal, mas sei que minhas possibilidades são limitadas porque o português que falo é o do Brasil. As duas personagens de novela que fiz eram brasileiras”, conta a atriz Thaiane Anjos, de 30 anos, que trocou o Rio por Lisboa há quatro anos. No País, atuou nas novelas Flor do Caribe, Além do Horizonte e Malhação, da Rede Globo.

Outro problema é a burocracia, como explica a publicitária Aline Camargo, de 34 anos, que foi para Lisboa há quatro anos e meio. Inicialmente, ela e o marido entraram na Europa como turistas, mas depois decidiram ficar e buscar trabalho remunerado. “Para conseguir a residência, há um processo que chegava a levar dois anos esperando a marcação da entrevista”, diz. Foi depois de ter filha em Portugal que ela correu atrás de regularizar a situação. “Consegui minha residência só este ano.”

Preconceitos

O fator discriminação também influencia, de algum modo, a comunidade de imigrantes. Segundo o Relatório Anual sobre a situação da Igualdade e Não Discriminação Racial e Étnica em Portugal, a nacionalidade brasileira, enquanto fator de discriminação na origem, surge na terceira posição, referida em 45 queixas, que representam 13% do total – no ano anterior, foram 18 casos. Em abril, teve repercussão internacional uma montagem feita na Universidade de Lisboa que “oferecia” pedras para atirar em “zucas”.

Só que até nesse ponto o fluxo migratório traz contradições bem brasileiras. É o caso da professora de circo Glaucia Manzzaneira, de 36 anos, que trocou São Paulo pelo Porto há sete meses. “A partir de 2016 comecei a sentir uma mudança no Brasil, uma liberação do discurso de ódio contra a comunidade LGBT.” Ela e a mulher passaram a ser alvo de xingamentos, brincadeiras e ameaças nas ruas. “Aqui (em Portugal) pode até haver algum preconceito, noto alguns olhares, mas ninguém ousa nos abordar nas ruas”, diz ela, que também foi vítima da crise econômica e teve de fechar a escola de circo que tinha. “Portugal foi um lugar que nos pareceu seguro e fácil para emigrar.”

0
0
Continuar lendo

Você viu?

Bezerro mutante nasce com 3 olhos e 2 focinhos na Argentina (VÍDEO)

Os habitantes do pequeno vilarejo argentino de Nasalo ficaram surpresos ao descobrir que um dos bezerros da região havia nascido com três olhos e dois focinhos.

ubiie Redação

Publicado

em

A julgar pelo vídeo, o animal nasceu com duas cabeças, uma colada à outra, mas com apenas duas orelhas, em vez de quatro.

A filmagem mostra as cabeças conjuntas da pobre criatura sendo seguradas por um fazendeiro.

Segundo relatos locais, o bezerro nasceu no dia 12 de junho e morreu poucas horas depois.

O bizarro incidente ocorreu em uma fazenda no pequeno vilarejo de Nasalo, localizado na província argentina de Santiago del Estero.

Alguns internautas comentaram o caso, sugerindo que a aparência era uma simples malformação, escreveu o tabloide britânico Daily Star.

“Eles são bezerros gêmeos siameses”, afirmou uma pessoa.

“Não é horrível, é uma simples malformação, é comum que isso aconteça em bezerros”, comentou um internauta, enquanto outro sugeriu que “isso é chamado de glifosato, é uma malformação típica causada por pesticidas”.

0
0
Continuar lendo

Você viu?

NASA explica por que americanos ainda não voltaram à Lua nem pousaram em Marte

O administrador da NASA, Jim Bridenstine, explicou à CBS por que é que os EUA suspenderam o seu programa espacial lunar e não pousaram em Marte.

ubiie Redação

Publicado

em

Segundo Bridenstine, isto deve-se a riscos políticos, pelos quais ele subentende a falta de financiamento. Ele acrescentou que, se não fosse isso, os americanos já estariam na Lua e em Marte.

Bridenstine disse que na década de 1990 e início dos anos 2000, a NASA tentou voltar à Lua e pousar em Marte, mas ambos os programas levaram muito tempo a preparar e implicavam gastos sérios. O administrador da NASA também observou que, pela mesma razão, o pouso em Marte, previsto para 2024, pode não se realizar.

Planos de Donald Trump

Recentemente, a administração de Donald Trump estabeleceu o objetivo de acelerar a implementação do programa lunar e enviar um homem para o satélite da Terra nos próximos 5 anos, em vez de 2028.

O programa espacial atualizado foi chamado de “Artemis” em honra da deusa grega da Lua. Segundo a mitologia, Artemis também era irmã de Apolo. Seu nome foi usado pelo programa lunar americano anterior, durante o qual, em julho de 1969, foi realizada a primeira viagem do homem à Lua.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
107,76
JPY +0,06%
3,75
BRL –0,02%
1EUR
Euro. European Union
=
120,87
JPY –0,04%
4,20
BRL –0,12%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
1.128.773,40
JPY –2,57%
39.261,43
BRL –2,65%

Tokyo
21°
Cloudy
MonTueWed
26/22°C
28/23°C
29/23°C

São Paulo
21°
Fair
SunMonTue
min 14°C
25/14°C
26/14°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana