Siga-nos

Você viu?

97

Tempo estimado para a leitura: 4minuto(s) e 5segundo(s).

Cientista brasileira cria ‘caneta’ que detecta câncer durante cirurgia

Livia Schiavinato Eberlin é formada em Química pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

ubiie Redação

Publicado

em

Uma cientista brasileira de 33 anos desenvolveu uma espécie de caneta capaz de detectar células tumorais em poucos segundos. Livia Schiavinato Eberlin é formada em Química pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e, apesar da pouca idade, já é chefe de um laboratório de pesquisa da Universidade do Texas em Austin, nos Estados Unidos.

Foi lá que, há quatro anos, ela iniciou os estudos de um dispositivo capaz de extrair moléculas de tecido humano e apontar, no material analisado, a presença de células cancerosas. A tecnologia está em estudo, mas já teve resultados promissores ao ser usada na análise de 800 amostras de tecido humano.

A pesquisadora, que já mora há dez anos nos EUA, para onde se mudou para fazer doutorado, está no Brasil nesta semana para apresentar os achados de sua pesquisa no congresso Next Frontiers to Cure Cancer, promovido anualmente pelo A.C. Camargo Cancer Center na cidade de São Paulo.

Nos Estados Unidos, Livia ganhou destaque na comunidade científica ao ser uma das personalidades selecionadas em 2018 para receber a renomada bolsa da Fundação MacArthur, conhecida como “bolsa dos gênios” e destinada a profissionais com atuação destacada e criativa em sua área. O prêmio, no valor de U$ 625 mil (cerca de R$ 2,5 milhões), é de uso livre pelo bolsista.

Em entrevista exclusiva ao jornal O Estado de S. Paulo, a pesquisadora explicou que a caneta, batizada de MacSpec Pen, tem como principal objetivo certificar, durante uma cirurgia oncológica, que todo o tecido tumoral foi removido do corpo do paciente. Isso porque nem sempre é possível visualizar a olho nu o limite entre a lesão cancerosa e o tecido saudável. “Muitas vezes o tecido é retirado e analisado por um patologista ainda durante a cirurgia para confirmar se todo o tumor está sendo retirado, mas esse processo leva de 30 a 40 minutos e, enquanto isso, o paciente fica lá, exposto à anestesia e a outros riscos cirúrgicos”, explica Livia.

A caneta desenvolvida por ela e sua equipe de pesquisadores usa uma técnica de análise química para dar essa mesma resposta que um patologista daria. “A caneta tem um reservatório preenchido com água. Quando a ponta dela toca o tecido, capta moléculas que se dissolvem em água e são transportadas para um espectrômetro de massa, equipamento que caracteriza a amostra como cancerosa ou não”, explica a cientista.

Essa caracterização da amostra em maligna ou não pode ser feita porque a tecnologia usa, além dos equipamentos de análise química, técnicas de inteligência artificial para que a máquina “responda” se as células são tumorais.

Para isso, foram usadas, na criação do modelo, centenas de amostras de tecidos cancerosos que, por meio de suas características, “ensinam” a máquina a identificar tecido tumoral.

“Na primeira fase da pesquisa analisamos mais de 200 amostras de tecido humano e verificamos uma precisão de identificação do câncer de 97%”, conta Livia.

Próximos passos

O resultado dessa etapa do estudo foi publicado na prestigiosa revista científica Science Translational Medicine em 2017. Depois, o grupo de pesquisa da brasileira nos EUA ampliou a investigação para 800 amostras de tecido e, mais recentemente, obteve autorização de comitês de ética de instituições americanas para testar a técnica em humanos, durante cirurgias reais.

“Apesar dos bons resultados em amostras de tecido, o modelo ainda precisa ser validado em testes clínicos. Se os resultados forem confirmados, ainda deve demorar de dois a três anos para a caneta ser lançada como produto”, opina Livia. O dispositivo já foi testado para câncer de cérebro, ovário, tireoide, mama e pulmão, e está começando a ser usado também nas pesquisas de tumor de pele.

Caso a técnica se mostre eficaz também para esse tipo de câncer, ela poderia ser usada para identificar se pintas ou outras lesões de pele são malignas sem a necessidade de remoção de uma parte do tecido, o que pode trazer danos estéticos.

Para Fabiana Baroni Makdissi, cirurgiã oncológica e diretora do Centro de Referência da Mama do A. C. Camargo Cancer Center, caso confirmada a eficácia do método em todas as fases da pesquisa, ele trará ganhos nos tratamentos contra o câncer por permitir maior precisão na retirada dos tumores. “Uma das coisas mais importantes quando a gente fala de tratamento cirúrgico é que o cirurgião consiga retirar completamente o tumor. As taxas de cura vão estar relacionadas a isso, mas temos limitações em garantir que toda a circunferência do tecido retirado esteja livre de células tumorais. Então, uma tecnologia como essa, se validada, tem muito a agregar.”

Ela explica que a técnica seria importante porque nem todos os hospitais contam com um patologista na equipe cirúrgica para analisar o tecido removido ainda durante a operação. “Nesses casos em que não há essa análise das margens durante a cirurgia, a taxa de reoperação é maior”, diz.

Fabiana destaca ainda que a rapidez do novo método pode ter outras vantagens para o paciente. “A redução do tempo cirúrgico seria um benefício agregado da técnica, principalmente em pacientes mais idosos, com doenças crônicas, que têm maiores riscos durante um procedimento cirúrgico”, diz a especialista.

0
0
Clique para comentar
Publicidade

Você viu?

Misteriosos objetos satânicos são encontrados em parque real escocês (Foto)

Em uma área isolada do Parque Holyrood, em Edimburgo, Escócia, foram encontrados dois misteriosos objetos que estariam ligados a um culto satânico.

ubiie Redação

Publicado

em

Uma placa de metal circular ornamentada, representando um pentagrama com duas figuras: uma figura masculina com chifres e uma figura feminina em uma pose de rendição. A figura masculina provavelmente representa uma entidade demoníaca conhecida como Baphomet. O fato gerou diversos comentários na mídia, com muitos afirmando que os objetos são pagãos.

​Altar e placa satânica são encontrados no Prque Holyrood, na Escócia.

O pentagrama é um símbolo reconhecido do paganismo e também é usado na adoração do diabo.

O segundo achado foi um “altar” de concreto enterrado no solo, aparentemente cercado por “objetos de exposição” que não foram especificados.

Segundo o jornal escocês The Scotsman, os objetos satânicos foram encontrados em Whinny Hill, no Parque Holyrood, conhecido como The Queen’s Park, que faz parte do Palácio Holyrood, residência oficial da rainha escocesa.

Os objetos foram achados pela equipe da Historic Environment Scotland, que administra o parque em nome da rainha.

“Em 2018, os nossos guardas florestais descobriram que um terreno no Parque Holyrood foi obstruído por um pentagrama de metal embutido na terra. Posteriormente, o item foi removido do local […] É uma ofensa criminal realizar obras não autorizadas”, afirmou um porta-voz da Historic Environment Scotland.

O pentagrama está há muito associado ao paganismo. No entanto, é usado por diversos grupos, incluindo vários ramos do paganismo, assim como pelo Satanismo de LaVeyan, sendo difícil determinar quem pode ter sido o responsável pelos objetos.

“Estas pessoas ou não sabiam o que estavam fazendo, ou estavam apenas brincando”, disse o porta-voz.

0
0
Continuar lendo

Você viu?

Brasileiro é o mais jovem do mundo a passar no mestrado em Harvard

O jovem de 19 anos se mudará para os Estados Unidos em breve para começar precocemente mais um ciclo de estudos

ubiie Redação

Publicado

em

Mateus de Lima Costa Ribeiro tem 19 anos e está a poucos dias de bater um recorde: tornar-se o aluno mais jovem a cursar o programa de mestrado em Direito da Universidade de Harvard, uma das mais prestigiosas do mundo. Ele se mudará para os Estados Unidos em breve para começar precocemente mais um ciclo de estudos. Não será o primeiro recorde batido por Mateus.

O estudante brasiliense passou no vestibular do curso de Direito da Universidade de Brasília quando ainda nem tinha iniciado o Ensino Médio, aos 14 anos. Aos 18, conseguiu o título da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e tornou-se o advogado mais jovem do País.

Pouco depois, foi também o mais novo advogado no mundo a fazer uma sustentação oral perante uma Suprema Corte, ao falar, em novembro do ano passado, aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele tenta incluir o feito no Guiness Book, o livro dos recordes. Mateus também foi o mais novo estudante a iniciar um mestrado em uma universidade pública brasileira. Ele cursa atualmente a pós-graduação na UnB e agora irá trocá-la por Harvard.

“Não fiquei surpreso. As pessoas normalmente iniciam a faculdade quando estão mais velhas e eu já tinha concluído essa fase de estudos”. Ele conta que os amigos até fazem piada sobre o fato. “Hoje até me mandaram uma mensagem dizendo: você é bom nessa coisa de ser o mais novo, né?”, disse à reportagem em sua casa, no Lago Sul, bairro nobre de Brasília.

Para ele, a oportunidade de fazer uma defesa no STF foi um teste importante, que o ajudou, inclusive, no caminho para Harvard. “Ninguém nasce com autoconfiança, é um processo em que você precisa ir provando para você mesmo”, afirmou. “Nunca aceitei muito bem o estado de inexperiência. Então, busquei aprender com advogados experientes, frequentar os círculos em que eles estavam”, disse Mateus.

Ele contou ainda que nem sempre teve facilidade nos estudos. “Tive muita dificuldade no início da escola, mas melhorei depois que eu entendi que precisava estudar de um jeito mais eficiente, com melhores métodos.”

O início do processo para a aprovação em Harvard não foi tranquilo. Mateus não passou no teste inglês, a primeira etapa para a admissão. Teve, então, 15 dias para se preparar para uma nova prova do idioma antes que o prazo de inscrição acabasse.

“Esse foi um momento decisivo porque tomei um baque muito grande. Tinha certeza que ia passar e não consegui. Mas quando você tem autoconfiança, você não permite que uma reprovação te defina”, disse.

Para Mateus, este exemplo mostra que ele não “é um gênio como gostam de dizer” e que uma conquista como esta é possível para outros. “Inteligência é um dos fatores. Existem outros como capacidade de superação, saber estudar do jeito certo, saber como fazer uma prova, esse tipo de coisa”, afirmou.

Mateus disse que consegue conciliar bem as obrigações com os momentos de lazer. Gosta de andar de kart e sair com os amigos. Agora está aprendendo a tocar saxofone também.

“Acho que o que eu sei fazer é dar prioridade para o que é mais importante. Quando eu vi a oportunidade de ir para Harvard, eu foquei e não pensei mais em nada. Foco é o principal, não entrei na universidade cedo porque sou um gênio, mas porque eu tive foco nesse projeto”, revelou.

Berço

O Direito é uma tradição na família de Mateus. Os pais e os irmãos são todos advogados. Um dos tios é desembargador. A escolha pela carreira acabou sendo um caminho natural, afirmou.

Quando era criança, ele e os irmãos discutiam como se estivessem em um tribunal. “Por participar das discussões, por ouvir meus pais falando sobre isso, naturalmente fui direcionado para essa área. E meu pai gostava de me levar para o tribunal, me explicar os julgamentos, então isso sempre fez parte da minha vida, mas me apaixonei pelo Direito um pouco por conta própria também”, contou.

Hoje, Mateus é sócio do escritório do pai e comanda a própria equipe. “Gosto de não viver à sombra do meu pai, embora ele seja um grande exemplo”, disse. Ele pretende usar sua experiência em Harvard para alavancar sua carreira como advogado no Brasil. Ambiciona escrever livros jurídicos e seguir com o treinamento que dá para bacharéis que se preparam para a prova da OAB.

Interessado em Direito Constitucional, Mateus deseja estudar a falta de dinheiro dos Estados em relação à União. “O federalismo foi fundado nos Estados Unidos e colocado na Constituição pela primeira vez. Quero estudar esse tema a partir da perspectiva deles e trazer ideias para o Brasil porque acho que ainda estamos atrasados neste tema”, disse.

Na análise do advogado, o Congresso brasileiro é a maior fonte de resistência para que os entes federativos possam gerenciar mais recursos por conta própria. Mateus diz ainda que a reforma da Previdência é, atualmente, um dos seus principais temas de interesse. “Acho até que esse governo é pró-Estados, quer dar mais competência para eles, mas isso é uma coisa que enfrenta resistência no Congresso”, avaliou.

0
0
Continuar lendo

Você viu?

Briga de cobras põe banhistas para correr de praia no Chipre (Vídeo)

A batalha das serpentes foi filmada por uma testemunha que estava em uma praia do Chipre no momento da briga; uma galera se assustou e saiu correndo.

ubiie Redação

Publicado

em

Há poucos metros do mar, os banhistas aterrorizados olhavam para duas cobras gigantes em uma violenta exibição de combate ritualizado, bem pertinho de uma cadeira de descanso da praia.

As pessoas que estavam no local fugiram enquanto os répteis lutavam furiosamente contra a areia atrás de um desfiladeiro de pedra.

As duas serpentes negras não identificadas, de aproximadamente 2,5 metros cada, possivelmente estavam lutando por alguma fêmea ou território.

A briga, que dura mais de cinco minutos, foi gravada na praia de Vrisoudia, situada no Chipre, no dia 15 de junho.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
107,38
JPY +0,19%
3,85
BRL 0,00%
1EUR
Euro. European Union
=
121,96
JPY +0,10%
4,37
BRL –0,10%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
1.275.889,02
JPY +1,10%
45.708,75
BRL +0,91%

Tokyo
27°
Partly Cloudy
WedThuFri
29/21°C
27/23°C
31/19°C

São Paulo
18°
Fair
TueWedThu
min 17°C
28/18°C
25/16°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana