Siga-nos

Brasil

385

Tempo estimado para a leitura: 3minuto(s) e 43segundo(s).

Discurso da primeira-dama em Libras ajuda na inclusão, dizem surdos

Michelle Bolsonaro fez o discurso de posse do marido, Jair Bolsonaro

ubiie Redação

Publicado

em

Associações de surdos e pessoas com deficiência afirmam que o discurso em Libras (Língua Brasileira de Sinais) da primeira-dama Michelle Bolsonaro, durante a cerimônia de posse do marido, o presidente Jair Bolsonaro (PSL), no dia 1º, ajuda na inclusão dessa população.

“Eu gostaria de dirigir-me à comunidade surda, pessoas com deficiência e a todos aqueles que se sentem esquecidos. Vocês serão valorizados e terão seus direitos respeitados”, disse ela. Autodidata em Libras, a primeira-dama aprendeu a língua por causa de um tio surdo.

Segundo o Censo de 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 9,7 milhões de pessoas têm deficiência auditiva no país. Cerca de 1 milhão delas são jovens até 19 anos.

Para a fonoaudióloga e gestora do Instituto Seli, Sibelle Moannack Traldi, o discurso de Michelle foi bem-vindo. “Trabalho há 16 anos tentando conscientizar as pessoas da importância das Libras. Mas, agora, parece que está todo mundo falando no assunto. Ela está abrindo as portas”, afirma. “É importante para inteirar não só as pessoas, mas também os governos da importância de ter Libras acessível em todos os lugares, em órgãos públicos também.”

Andrey Lemes da Cruz, sócio e diretor da Educalibras, também comemora o discurso em Libras. “Não se pode descartar o fato de que isso é inédito. Sem dúvida a comunidade surda usuária da Língua Brasileira de Sinais foi notada”, afirma. Para ele, a partir de agora, organizadores de eventos serão mais pressionados para torná-los mais acessíveis, principalmente com a presença do intérprete de Libras. “Isso sem dúvida contribuirá para que a comunidade surda tenha mais visibilidade”, conclui.

Marcos Medeiros, assistente de diretor da Emebs (Escola Municipal de Educação Bilíngue para Surdos) Helen Keller, que já atua há 66 anos, também vê com otimismo a propagação das Libras no país. “Para os surdos vai ser muito bom, vai aumentar a acessibilidade”, afirma ele.

ATENDIMENTO A PACIENTES

A rede de hospitais São Camilo apostou em aulas de Libras para funcionários para aprimorar o atendimento desses pacientes. Segundo a gerente de atendimento da rede, Alessandra Rallo Ferreira, a Libras é um meio de garantir a inclusão na sociedade. “Esse aprendizado fortaleceu nosso atendimento.”O curso foi oferecido a 46 funcionários, em 2016, ministrados pelo Instituto Seli. O auxiliar de atendimento em pronto-socorro da rede José Dário Santos, 42, fez o curso por dois anos. “Pude entender os desejos dos pacientes, melhorando o atendimento”, conta.

No mesmo setor, Amarildo Dantas Júnior, 33, destaca a questão da humanização com o paciente. A supervisora de hotelaria Maria Lucia Dutra, 50, conta usou Libras ao receber um paciente surdo. “Ele foi embora satisfeito”, diz.

A supervisora de atendimento de internação Jéssica Guimarães, 26 anos, tem um primo surdo e conta que a comunicação com ele “ficou muito melhor”. Ela também atendeu um paciente surdo. “Valeu a pena para ver a alegria dele ao ser compreendido, isso não tem preço.”

ARTES

Surdo de nascimento, o estudante João Victor Torres Rocco, 15, aprendeu Libras na Emebs Helen Keller, onde cursou o ensino fundamental e agora irá iniciar o ensino médio, inaugurado a partir deste ano na escola municipal. Foi ali que João descobriu o amor pelas artes.

“Apesar de ler lábios muito bem, ele aprendeu Libras nessa escola e lá desenvolveu a paixão por teatro, cinema e artes em geral. Ele gostou tanto que já até escreveu uma peça, encenada na escola”, conta a mãe do adolescente, a atendente de telemarketing Neusa Torres Rocco D’Arena, 51.

Com a ajuda da mãe, que não sabe Libras, João conta que adora ir a todos os passeios da escola, em especial ao teatro. “A arte, em geral, é muito importante na minha vida, é um crescimento para mim. A peça que mais gostei foi ‘Ayrton Senna, O Musical'”, conta ele, com a tradução da mãe.

PRODUÇÕES

Produções de teatro começaram a convidar alunos Emebs Helen Keller para assistir espetáculos teatrais, como “A Visita da Velha Senhora”, com Denise Fraga, com tradutor em Libras, graças a um projeto de formação da escola, voltado para cultura.

“Há convites para os estudantes e acompanhantes, que passam a ter contato com espetáculos conhecidos”, diz Marcos Medeiros, da Emebs Helen Keller.

0
0
Clique para comentar
Publicidade

Política

Bolsonaro: ‘Também não tenho apego ao cargo, mas Moro não sai’

O presidente voltou a falar das mensagens atribuídas à Moro divulgadas pelo The Intercept

ubiie Redação

Publicado

em

Horas depois de o ministro da Justiça, Sergio Moro, ter dito durante audiência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado que não tem apego ao cargo e, se cometeu irregularidade, deixaria o Ministério, o presidente Jair Bolsonaro saiu em defesa enfática do ex-juiz da Lava Jato. “Eu também não tenho apego ao meu cargo. O ministro é livre para tomar as decisões que bem entender. O Sergio Moro é patrimônio nacional e, se depender de mim, não sai”, disse.

Em entrevista coletiva, após solenidade militar de formatura de sargentos da Aeronáutica, em Guaratinguetá, interior de São Paulo, ele disse que, “até agora”, não viu nada de mais nas supostas conversas atribuídas a Moro, divulgadas pelo site The Intercept Brasil.

Questionado se poderia demitir Moro como fez com o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, ele disse que não demitiu Levy, mas foi ele quem pediu para sair. “Não posso casar pensando em separar um dia. Não vi nada de anormal até agora (nas conversas de Moro). Querem tentar me atingir atacando quem está do meu lado. O Sergio Moro é patrimônio, podem procurar outro alvo porque esse já era. Ele fica.”

0
0
Continuar lendo

Política

Sergio Moro diz que abandona Governo caso se provem irregularidades

O ministro disse que “não se lembra” das mensagens trocadas através aplicativo de conversa

ubiie Redação

Publicado

em

O ministro da Justiça Sergio Moro afirmou hoje que deixa o cargo caso se provem irregularidades suas nas mensagens trocadas com procuradores da Operação Lava Jato, no âmbito das denúncias do ‘site’ The Intercept, mas reiterou a sua inocência.

“Estou absolutamente convicto das minhas ações como juiz. (…) Que o ‘site’ [The Intercept] apresente tudo, para que a sociedade veja se houve alguma incorreção. Não tenho nenhum apego pelo cargo em si. Se houve irregularidade de minha parte, eu saio. Mas não houve. Eu sempre agi na lei, de maneira imparcial”, declarou Moro, em audiência pública no Senado, em Brasília.

Por várias vezes, ao longo da audiência, o atual ministro da Justiça acusou o portal de investigação jornalística The Intercept de ser “sensacionalista”, apelando ainda a que o ‘site’ divulgue integralmente o conteúdo das mensagens a que teve acesso.

Em resposta às acusações de sensasionalismo, o senador do Partido dos trabalhadores (PT) Jaques Wagner relembrou que o jornalista Glenn Greenwald, um dos fundadores do The Intercept, já foi distinguido com um prêmio de jornalismo Pulitzer pelas suas reportagens que revelaram os programas de espionagem da Agência de Segurança Nacional norte-americana (NSA, na sigla em inglês).

“O ministro insiste em desqualificar o ‘site’ e chamá-lo de sensacionalista. O ‘site’ já ganhou o ‘Óscar do jornalismo’ com a revelação dos ‘wiki-leaks’. O combate à corrupção é um pré-requisito para qualquer pessoa na vida pública. A melhor forma é responder ao que está sendo revelado”, defendeu o senador do PT.

Jaques Wagner aproveitou ainda para questionar o atual ministro se também considerava sensacionalismo a divulgação das conversas entre os ex-Presidentes Lula da Silva e Dilma Rousseff, quando Moro ainda era magistrado na Operação Lava Jato.

“Foi uma medida sensacionalista divulgar conversas grampeadas [sob escuta] de Dilma? Colocar no pelourinho a dignidade de pessoas que deveria ser mantida em sigilo?”, reforçou o deputado, numa alusão à decisão de Moro, enquanto juiz, retirou em 2016 o sigilo e divulgou conversas telefônicas entre os dois ex-chefes de Estado.

Por outro lado, a ex-juíza e senadora Selma Arruda, do Partido Social Liberal (PSL), composição política do Presidente Jair Bolsonaro, defendeu a atuação de Moro na Lava Jato, acrescentando que magistrados que trabalham com pessoas envolvidas na política são frequentemente acusados de parcialidade.

Desde o dia 09 de junho, o portal jornalístico The Intercept tem publicado uma série de reportagens sobre mensagens secretas obtidas de uma fonte anônima, que terão sido trocadas por Moro com procuradores da Operação Lava Jato, quando era o juiz responsável por analisar os processos da investigação em primeira instância.

Segundo o Intercept, as conversas lançam dúvidas sobre o desempenho de Moro nos processos da Lava Jato, como no julgamento que levou à prisão do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na audiência de hoje, Moro voltou a negar que tenha agido de modo parcial ou que tenha combinado ações com promotores responsáveis pelas investigações, embora tenha admitido que usava a aplicação Telegram para falar com procuradores, alegando que é normal os juízes conversarem com as partes fora dos autos do processo.

Em relação às mensagens obtidas pelo The Intercept, o ministro insistiu que “não se lembra”, e que não reconhece a sua autenticidade, porque não foram alvo de perícias e poderão ter sido “total ou parcialmente editadas”.

0
0
Continuar lendo

Brasil

PF descobre grupo que vazava informações secretas de operações

Agentes cumprem 30 mandados, sendo 23 de busca e apreensão e sete de prisão temporária

ubiie Redação

Publicado

em

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta terça-feira, 18, a Operação Chabu para desarticular uma organização que violava sigilo de operações policiais em Santa Catarina. O grupo contava com uma rede de políticos, empresários e agentes da PF e da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Além de vazar informações, o grupo contrabandeava equipamentos de contra inteligência.

Agentes cumprem 30 mandados, sendo 23 de busca e apreensão e sete de prisão temporária, expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). Os crimes foram descobertos a partir da análise dos materiais apreendidos durante a Operação Eclipse, deflagrada em agosto de 2018.

A PF identificou que a organização criminosa teria formado uma rede de políticos, empresários e servidores da própria corporação e também da PRF lotados em órgão de inteligência e investigação.

Segundo a PF, o grupo “embaraçava investigações policiais em curso e protegia o núcleo político em troca de vantagens financeiras e políticas”.

A investigação apurou ainda que a quadrilha vazava sistematicamente informações sobre operações policiais que ainda seriam deflagradas e também contrabandeava equipamentos de contra inteligência para montar “salas seguras”, à prova de monitoramento, em órgãos públicos e empresas.

A PF investiga associação criminosa, corrupção passiva, violação de sigilo funcional, tráfico de influência, corrupção ativa e tentativa de interferir em investigação penal que envolva organização criminosa.

‘Falha’

A Polícia Federal ressaltou que o nome da operação, “Chabu”, significa “dar problema, dar errado, falha no sistema”. “O termo é utilizado em festas juninas quando falham fogos de artifício e era empregado por alguns dos investigados para avisar da existência de operações policiais que viriam a acontecer”, destacou a PF.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
107,29
JPY –0,77%
3,84
BRL +0,01%
1EUR
Euro. European Union
=
121,18
JPY –0,25%
4,34
BRL +0,52%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
1.021.847,66
JPY +1,70%
36.563,66
BRL +2,46%

Tokyo
23°
Cloudy
FriSatSun
27/21°C
26/19°C
25/18°C

São Paulo
17°
Mostly Cloudy
ThuFriSat
min 16°C
21/14°C
24/14°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana