Siga-nos

Espaço

27

Tempo estimado para a leitura: 2minuto(s) e 4segundo(s).

Terra daqui a 200 milhões de anos: cientistas mostram ‘supercontinente’ do futuro (FOTO)

Dentro de 200-250 milhões de anos, nosso planeta terá um aspecto totalmente distinto do que vemos hoje, ao juntar todos os continentes atuais em um novo supercontinente, descobriram os investigadores Mattias Green (da Universidade de Bangor, Reino Unido), Hannah Sophia Davies e João C. Duarte (da Universidade de Lisboa, Portugal).

ubiie Redação

Publicado

em

No artigo, publicado no portal The Conversation, os cientistas explicam que as placas tectônicas que formam a crosta terrestre estão em movimento constante, deslocando-se a uma velocidade de poucos centímetros por ano. Em termos geológicos, isso faz com que, de vez em quando, os continentes se juntem em um supercontinente que se mantém unido durante centenas de milhões de anos antes de se dividir novamente.

O último supercontinente Pangeia, que existiu entre 200 a 540 milhões de anos atrás, durante a era Paleozoica, começou a se separar há aproximadamente 180 milhões de anos. Espera-se que o próximo seja formado em cerca de 200 a 250 milhões de anos. A ruptura de Pangeia levou a formação do oceano Atlântico que ainda está se ampliando, enquanto o oceano Pacífico está se estreitando.

Segundo os autores do estudo, há quatro cenários fundamentais para a formação do próximo supercontinente: Novopangea, Pangeia Última, Aurica e Amasia.

Novopangea

Se mantiverem as condições atuais — com o Atlântico a se ampliar e o Pacífico a diminuir — o novo supercontinente se formaria na parte oposta à antiga Pangeia, indicam especialistas. As Américas se colidiriam com a Antártida, que continuaria se movendo ao norte e, em seguida, com a África e Eurásia já unidas, para criar a chamada Novopangea.

Pangeia Última

Se a expansão do Atlântico começar a se interromper, seus dois pequenos arcos de subducção poderiam se estender ao longo da costa oriental das Américas, o que levaria a uma recreação de Pangeia. Os continentes voltariam a se unir em um supercontinente chamado Pangeia Última, que estaria rodeado por um superoceano Pacífico.

Aurica

No caso de aparecerem novas zonas de subducção no Atlântico, ambos os oceanos poderiam se fechar e criar uma bacia oceânica. Neste cenário, a rachadura pan-asiática, que atualmente atravessa a Ásia, iria se abrir para formar um novo oceano. O resultado disso seria a formação do supercontinente Aurica, em cujo centro estaria a Austrália.

Amasia

O quarto cenário supõe um “destino completamente diferente para a Terra futura”, segundo os pesquisadores. É destacado que várias placas tectônicas, inclusive a África e Ásia, estão se movendo atualmente ao norte. É possível que todos os continentes, exceto a Antártida, continuem avançando ao norte até se unir ao redor desse Polo em um supercontinente, nomeado de Amasia.

De acordo com as avaliações dos cientistas, o cenário da Novopangea é o mais provável, sendo uma progressão lógica das tendências atuais, enquanto os outros três precisam da intervenção de processos adicionais.

0
0
Clique para comentar
Publicidade

Espaço

Mistério de Encélado: lua de Saturno pode abrigar vida em seu oceano?

Além de possuir criovulcões, gêiseres e um oceano muito antigo, o Encélado, que é uma das luas de Saturno, também oculta mistérios ainda não decifrados, afirma o especialista em Vulcanologia Experimental Robin Andrews em seu artigo publicado na revista Forbes.

ubiie Redação

Publicado

em

Até agora, os cientistas têm se focado no estudo do oceano do sexto maior satélite de Saturno, acreditando que possivelmente há algum tipo de vida nele, pois seu leito marítimo é semelhante ao da Terra.

Não obstante, “há muito ainda a saber sobre Encélado — seu oceano interior, seus gêiseres lançando material no espaço e até mesmo o motor que impulsiona toda essa atividade”, disse Paul Byrne, professor assistente de Geologia Planetária da Universidade Estadual da Carolina do Norte (EUA).

Uma equipe de cientistas norte-americanos, de que Byrne faz parte, tenta decifrar a evolução geológica e as características criosféricas do satélite. Para isso, precisam analisar as estrias e fendas que se estendem na superfície do Encélado, que são influenciadas por muito fatores, principalmente pelas forças gravitacionais extremas de Saturno.

Essas forças geram calor na crosta do satélite e provocam um tipo de maré geológica, o que explicaria os movimentos subjacentes do oceano e do criovulcanismo no polo sul dessa lua.

Para Mallory Kinczyk, assistente de pesquisa em Ciências Planetárias da universidade já citada, o Encélado possui uma grande atividade geológica com placas tectônicas ativas, apesar de ser pequeno em comparação com outras luas muito maiores do planeta Saturno (como Dione e Tetis).

As crateras de cerca de 7 quilômetros de diâmetro dos criovulcões do Encélado têm relação com as rachaduras que as atravessam, pois essas fissuras se ramificam ou se transformam em crateras, segundo os cientistas. É provável que a concentração de crateras sob alta pressão determine a orientação das rachaduras, porém, grande parte do mecanismo de sua formação continua sendo um mistério.

0
0
Continuar lendo

Espaço

Avanço inédito: surge 1ª FOTO do polo norte do Sol

Embora existam muitas missões enviadas pela ESA para análise do Sol, a maioria das sondas tem focado observações nas regiões equatoriais, deixando os polos relativamente inexplorados, algo que levou os cientistas à ideia de usar criatividade e tirar imagens de uma região remota solar.

ubiie Redação

Publicado

em

A imagem apareceu graças às observações feitas pela Proba-2 que finalmente conseguiu reconstruir uma visão do polo norte. Embora os polos não possam ser vistos diretamente, quando a espaçonave observa a atmosfera do Sol, coleta dados de tudo o que entra em sua linha de visão, incluindo a atmosfera que se estende ao longo do disco solar. A partir desses dados, os cientistas podem deduzir a aparência das regiões polares.


Polo norte solar fotografado pela sonda Proba-2 da Agência Espacial Europeia (ESA)

Na imagem, que inclui dados do SWAP (câmera ultravioleta extrema da Proba-2), é possível observar os traços deixados por montagem. A linha que cruza o centro apareceu devido às pequenas mudanças na atmosfera solar que ocorreram durante o tempo necessário para criar a imagem. Sem contar na protuberância brilhante na parte superior direita do Sol que surgiu devido a um buraco coronal de baixa latitude que gira em torno do disco solar.

A região do buraco coronal polar, que pode ser vista como uma mancha escura no centro do disco solar, é uma fonte de vento solar rápido. É possível notar que há uma rede sutil de estruturas claro-escuras, que podem causar variações na velocidade do vento solar.

“Esse tipo de visão contribui significativamente para desvendar os segredos dos polos, bem como a forma em que as ondas se propagam pela nossa estrela ou de que se originam tais fenômenos como buracos e ejeções coronais que afetam o clima espacial ao redor da Terra”, sublinha a ESA.

0
0
Continuar lendo

Espaço

Conheça cinco missões que saem em breve para o Planeta Vermelho

A mais grandiosa, comandada por Elon Musk, quer desenvolver uma possível nova civilização auto-sustentável em Marte

ubiie Redação

Publicado

em

Agências espaciais ao redor do mundo planejam explorar Marte. E podem estar muito mais próximas de concretizar as suas missões do que imaginamos. Conheça cinco desses planos grandiosos listados pelo ‘The Guardian’:

InSight Lander da Nasa: com a sonda InSight devidamente pousada na superfície do planeta vermelho desde a semana passada, a Nasa quer estudar as profundidades de Marte para, em 2020, retornar para investigar sinais de vida e coletar dados para futuras missões.

ExoMars 2020: a Agência Espacial Europeia e a russa Roscosmos se uniram para uma missão em meados de 2020. Com uma sonda europeia e uma plataforma de superfície russa, o projeto quer estudar os gases atmosféricos de Marte em busca de evidências de atividade biológica ou geológica.

Sonda chinesa: a primeira missão independente da China, planejada para 2020, já está em fase de testes. Esta é uma das quatro missões de exploração espacial planejadas pela Administração Espacial Nacional da China.

Missão Emirates Mars: a nave Hope da Agência Espacial dos Emirados Árabes Unidos deve ser lançada em julho de 2020 e também será a primeira comandada pelo país. Ela deve chegar à atmosfera marciana em 2021, no dia do 50º aniversário da fundação dos Emirados Árabes.

Foguete Big Falcon da SpaceX: a empresa de Elon Musk está desenvolvendo um sistema de lançamento espacial totalmente reutilizável, que deve partir para a sua primeira missão de carga em 2022. Dali dois anos, em 2024, está programada a primeira missão tripulada, criando uma base que o milionário vai usar para desenvolver uma possível nova civilização auto-sustentável.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
113,27
JPY +0,67%
3,92
BRL +0,26%
1EUR
Euro. European Union
=
128,62
JPY +0,28%
4,45
BRL –0,14%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
387.278,33
JPY –3,34%
13.394,70
BRL –3,77%

Tokyo
Clear
TueWedThu
9/4°C
12/6°C
10/4°C

São Paulo
25°
Fair
MonTueWed
min 17°C
30/18°C
32/19°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana