Siga-nos

Japão

312

Tempo estimado para a leitura: 3minuto(s) e 20segundo(s).

Japão construirá 1º porta-aviões desde Pearl Harbour: contra quem é dirigida a medida?

O Japão planeja construir o primeiro porta-aviões do país na história do pós-guerra. O navio será uma ampliação do maior porta-helicópteros da Marinha japonesa da classe Izumo. Será que estes planos correspondem à Constituição pacifista do país e contra quem poderão ser dirigidos? Analistas explicam.

ubiie Redação

Publicado

em

Segundo informou o canal japonês NHK, a construção do porta-aviões faz parte do programa de defesa do Japão de médio prazo, que deverá ser aprovado em dezembro.

O programa abrange o período até 2024 e se tornará o primeiro passo no afastamento da atual Constituição, que proíbe o país de ter um exército pleno, indica o especialista em assuntos japoneses do Instituto do Extremo Oriente da Academia de Ciência da Rússia, Valery Kistanov.

No âmbito do mesmo programa, o governo japonês decidiu comprar aos EUA 42 caças F-35B e está planejando adquirir mais 100 destes aviões por um valor de quase US$ 9 bilhões, segundo relatos da edição Nikkei Asian Review.

Neste contexto, já ficam mais compreensíveis os planos de Tóquio de construir um porta-aviões: ele deverá abrigar os caças furtivos americanos, sublinhou o analista no jornal russo Vzglyad. A construção do navio deverá se iniciar em 2020.

O porta-helicópteros que será transformado em porta-aviões é um navio bastante novo, tendo sido incorporado na Marinha em 2015. No momento, as forças japonesas têm dois navios da classe Izumo, os maiores da moderna frota do país. Porém, o porta-aviões a construir a partir do Izumo não será muito grande.

Apesar de, na mídia, o futuro porta-aviões ser chamado de primeiro navio deste tipo, o jornal russo lembra que, no início da Segunda Guerra Mundial, a frota japonesa contava com 10 porta-aviões, comparados com 7 dos EUA. Seis destes navios participaram do ataque japonês à base norte-americana de Pearl Harbor.
Um ano depois de Pearl Harbor, os Estados Unidos afundaram a maioria dos porta-aviões japoneses na batalha naval de Midway, recordou o ex-embaixador da Rússia no Japão, Aleksandr Panov, e desde então o país asiático não voltou a construí-los.

O artigo do Vzglyad frisa que a remilitarização do Japão não é dirigida contra os EUA nem a Rússia, mas se deve às crescentes atividades da Marinha chinesa na região, incluindo o programa de porta-aviões do país.

Para Kistanov, os japoneses previram a expansão militar chinesa e construíram seus porta-helicópteros, pensando na sua futura evolução.

“Pelas dimensões, estes navios eram comparáveis com os porta-aviões ligeiros dos países europeus, como Itália e Espanha […] Desde logo estava claro que a estrutura dos porta-helicópteros permitiria instalar no futuro aviões de decolagem e aterrissagem vertical e curta. […] Chegou a hora de transformá-los em porta-aviões porque acabou de aparecer um avião adequado, ou seja, o caça F-35 para o Corpo de Fuzileiros Navais”, explicou o analista russo Vasily Kashin.

Os planos de construir porta-aviões contradizem a Constituição japonesa, que proíbe o país de ter um exército pleno, incluindo armas ofensivas.

Porém, assinala Kashin, “as alterações na legislação introduzidas pelo governo de [Shinzo] Abe dão ao Japão o direito de autodefesa coletiva”.

Trata-se de ações militares de defesa e apoio aos aliados, isto é, aos EUA. Assim, se se desencadear um conflito em torno de Taiwan ou no mar do Sul da China, o Japão poderia tomar parte como aliado de Washington, acrescenta Kashin.

O analista acredita que Pequim não deixará sem atenção o aumento das capacidades militares pelo país vizinho: “Veremos uma reação negativa da China e o aumento de investimentos nas suas forças navais”, concluiu.

0
0
Clique para comentar
Publicidade

Japão

Japão confirma e detalha projeto do caça de 6ª geração

Recentemente, um relatório divulgado pelo Japão revelou que o país decidiu desenvolver seu próprio caça furtivo de sexta geração, o Mitsubishi F-3.

ubiie Redação

Publicado

em

O desenvolvimento e a produção do novo caça furtivo F-3, que faz parte do Programa de Defesa de Médio Prazo (MTDP, na sigla em inglês) será liderado pela indústria aeronáutica do país com a possível colaboração de parceiros externos, incluindo a BAE Systems, Lockheed Martin, Boeing e Northrop Grumman.

Tanto é que a equipe liderada pela Mitsubishi Eletronics já realizou testes com seu radar de varredura eletrônica ativa (AESA) baseado no caça F-2 e que, segundo a mídia, deve ser similar ao NA/APG-81 fabricado nos EUA e utilizado pelo caça F-35 Lightning II.
Além dos testes de radar, a empresa também apresentou imagens do protótipo de teste de um motor turbofan de by-pass baixo, chamado de XF9-1, equipado com pós-combustores desenvolvidos pela IHI Corporation.

Com relação a uma possível colaboração, a Lockheed Martin recentemente apresentou uma proposta de projeto para um jato bimotor de superioridade aérea utilizando a estrutura do F-22 com a suíte eletrônica do F-35. Entretanto, a proposta foi descartada pelo Ministério das Finanças do Japão por ser muito cara, conforme cita a revista The National Interest.

O Ministério da Defesa do Japão pretende obter aproximadamente 100 novas aeronaves de superioridade aérea até o final da década de 2030, ressaltando que os japoneses também aprovaram a compra de 147 jatos furtivos F-35A Lightning II, com a possibilidade de incluir aeronaves da versão para pouso vertical, F-35B.

O programa F-3 custará aproximadamente R$ 174 bilhões, ou seja, mais de R$ 694 milhões por aeronave.

0
0
Continuar lendo

Japão

Tribunal aprova prisão de Ghosn até 14 de abril

Executivo brasileiro é alvo de nova acusação no Japão

ubiie Redação

Publicado

em

Um tribunal do Japão aprovou nesta sexta-feira (5) o pedido de prisão preventiva do ex-presidente da Nissan, da Mitsubishi e da Renault Carlos Ghosn até 14 de abril.

O executivo brasileiro havia passado 108 dias na cadeia e sido libertado em 6 de março, mediante pagamento de fiança de 1 bilhão de ienes (equivalente a mais de R$ 33 milhões), mas acabou detido novamente nesta quinta (4), após mais uma acusação de má conduta financeira.

Segundo a nova denúncia, US$ 5 milhões enviados por uma subsidiária da Nissan para uma distribuidora de veículos em Omã foram desviados para uma companhia controlada por Ghosn. Antes disso, ele já era acusado de ter subnotificado rendimentos e de ter transferido recursos ilegalmente para a Arábia Saudita.

A Corte Distrital de Tóquio aprovou nesta sexta o pedido do Ministério Público para colocar o executivo em prisão preventiva por 10 dias, período que pode ser prorrogado por mais 10 antes da formalização da denúncia.

Ghosn, 65 anos, alega inocência e havia acabado de anunciar que faria uma coletiva de imprensa em 11 de abril para “contar toda a verdade sobre o que está acontecendo”. No pedido de prisão, o Ministério Público argumenta que o executivo poderia adulterar provas ou fugir.

Em função do escândalo, o brasileiro foi demitido da presidência da Nissan e da Mitsubishi e renunciou ao comando da Renault – as três montadoras formam uma aliança automotiva. Ele alega inocência e diz ser vítima de “complô” e “traição” por parte dos executivos da Nissan, que planejam mudar os termos da parceria com a Renault.

Atualmente, a montadora francesa tem 43% das ações do grupo japonês, com direito a voto, enquanto a Nissan, que é mais lucrativa, possui 15% da Renault, sem direito a voto.

0
0
Continuar lendo

Japão

Após pagar fiança, Carlos Ghosn deixa a prisão em Tóquio

Ex-presidente da Nissan é acusado de fraude e aplicação indevida de recursos

ubiie Redação

Publicado

em

O Tribunal Distrital de Tóquio, no Japão, autorizou a libertação e o executivo franco-brasileiro Carlos Ghosn, de 64 anos, ex-presidente da Nissan, deixou a prisão nesta quarta-feira (6). A Justiça rejeitou o recurso impetrado pelos promotores que tentaram reverter a concessão da fiança e as exigências impostas.

Acusado de fraude e aplicação indevida de recursos, a fiança imposta a Ghosn é no valor de US$ 9 milhões. Ele está proibido de deixar o Japão.

A Justiça determinou a instalação de uma câmera na entrada de sua residência, o uso de um computador no escritório de seu advogado e a utilização de celular desde que a internet bloqueada.

Ghosn foi preso em novembro do ano passado e indiciado por suspeita de fraudes e violação de instrumentos legais da empresa. A pena foi agravada pela quebra de confiança por transferir inadequadamente os fundos da Nissan.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
109,32
JPY +0,01%
4,02
BRL +0,01%
1EUR
Euro. European Union
=
122,50
JPY +0,02%
4,51
BRL +0,02%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
878.654,31
JPY +0,40%
32.336,95
BRL +0,40%

Tokyo
27°
Sunny
SatSunMon
min 18°C
32/19°C
31/21°C

São Paulo
12°
Partly Cloudy
SatSunMon
20/13°C
22/12°C
26/16°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana