Siga-nos

Espaço

131

Tempo estimado para a leitura: 4minuto(s) e 48segundo(s).

Bóson de Higgs é ‘maior herança’ do acelerador de partículas

No acelerador, um túnel circular de 27 quilômetros de comprimento, são geradas colisões de prótons e íons pesados a altas energias para se compreender melhor a composição do Universo

ubiie Redação

Publicado

em

O diretor de Aceleradores e Tecnologia do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) considera a descoberta do Bóson de Higgs “a maior herança” do maior acelerador de partículas do mundo, que será aposentado em 2040.

“Foi a maior descoberta da física dos últimos anos, a maior herança do LHC”, afirma Frédérick Bordry à Lusa, por conta dos 10 anos do LHC (Large Hadron Collider, Grande Colisor de Hádrons), comemorados nesta segunda-feira (10).

No acelerador, um túnel circular de 27 quilômetros de comprimento, são geradas colisões de prótons (que são hádrons) e íons pesados a altas energias para se compreender melhor a composição do Universo.

Frédérick Bordry lembra que o Bóson de Higgs, descoberto em 2012 com experiências feitas no acelerador, era a peça que faltava ao modelo-padrão da física de partículas, teoria que descreve as partículas elementares que compõem a matéria do Universo.

O Bóson de Higgs é a partícula elementar que “explica como as partículas adquirem a sua massa”. Aos que lhe perguntam para que serve na prática o Bóson de Higgs, Frédérick Bordry tem respondido que um dia servirá para alguma coisa, tem sido assim com as descobertas.

“Descobrem-se as coisas e alguns anos depois temos a sua aplicação na sociedade”, explica.

O diretor de Aceleradores e Tecnologia do CERN recorda que quando o elétron foi descoberto em 1897, pelo físico britânico Joseph John Thomson, “não se sabia o que era a eletrônica, nunca se tinha ouvido falar”.

A eletrônica, usada por exemplo em diversos componentes de computadores e equipamentos de telecomunicações, tem por base os elétrons, partículas de carga negativa. E a colisão de elétrons (contra um alvo de metal pesado) está na origem da tecnologia de raios-X usada nos exames de diagnóstico médico como radiografias ou tomografias.

Bordry reforça que a World Wide Web (www), a maior rede mundial de comunicação, foi inventada no CERN em 1989 pelo cientista britânico Tim Berners-Lee. Um caso, salienta, de como a “investigação fundamental foi transferida para a sociedade”.

Para processar os dados resultantes de bilhões de colisões de partículas, o CERN criou um sistema de cálculo computacional que serviu de modelo para o processamento de informação sobre o genoma ou o clima.

“A grande descoberta do CERN é o conhecimento”, enfatiza. Uma vez descoberto o Bóson de Higgs, a peça essencial que faltava no ‘puzzle’ da física de partículas, o que falta descobrir?

“Procurar além do Modelo-Padrão. Questão fundamental: o que pode haver além do Modelo-Padrão?”, interroga Frédérick Bordry, sublinhando que o modelo-padrão da física das partículas “só explica” uma ínfima parte da matéria do Universo, cerca de cinco por cento, a que é visível. Falta o resto, a matéria e a energia escura.

O desempenho do LHC, que tem uma ‘esperança de vida’ até 2040, vai ser melhorado para que possa “produzir dez vezes mais colisões entre 2025 e 2035”. A probabilidade de se “descobrir propriedades físicas muito raras” será maior, justifica o diretor de Aceleradores e Tecnologia do CERN.

Ao mesmo tempo que se trabalha no novo ‘upgrade’ do acelerador, que irá parar por duas vezes, entre 2019 e 2025, estão sendo desenvolvidas novas tecnologias para o seu sucessor, como “supercondutores mais potentes”. Um novo modelo de computação para tratar ‘big data’ (quantidades astronómicas de dados) terá de ser igualmente criado.

Frédérick Bordry diz que “é difícil prever como será a informática em 2040”, mas faz um reparo: “Os informáticos pensam com dez anos de avanço, os técnicos dos aceleradores com 25 anos”.

“Estamos já pensando como vamos fazer face ao grande número de dados depois de 2025”, assinala, numa referência ao ‘upgrade’ do LHC de alta luminosidade.

Em 2025, “decisões têm de ser tomadas” quanto à construção do novo acelerador de partículas, para o qual foram desenhadas duas soluções.

Uma sugere um acelerador circular de 100 quilômetros (mais 73 quilômetros do que o perímetro do LHC) que poderá fazer colisões de prótons a uma energia oito vezes mais elevada do que a do LHC e entre elétrons e pósitrons (antipartículas dos elétrons).

O segundo cenário aponta para a construção de um acelerador retilíneo com o comprimento inicial de 11 quilômetros (podendo chegar no final aos 50 quilômetros) para colidir elétrons e pósitrons. Os físicos esperam que, quer numa opção quer na outra, se possam descobrir novas partículas e saber mais sobre a composição do Universo.

1
0
Clique para comentar
Publicidade

Espaço

Nasa está pronta para dizer adeus ao robô Opportunity em Marte

Agência espacial norte-americana deve declarar nesta quarta (13) o fim da missão

ubiie Redação

Publicado

em

A agência espacial norte-americana Nasa anunciou que uma reunião está marcada para esta quarta-feira (13) para declarar encerrada a missão Opportunity, segundo informações da France Presse.

A última tentativa de retomar o contato com o robô Opportunity em Marte teria ocorrido na tarde desta terça (12), oito meses após sua última mensagem.

O Opportunity desembarcou em 2004 em Marte e viajou 45 km. Uma tempestade de poeira que durou vários meses matou o robô, cuja última comunicação foi em 10 de junho de 2018.

0
0
Continuar lendo

Espaço

NASA divulga inigualável FOTO de 360° da paisagem de Marte

A NASA publicou uma imagem panorâmica dando uma ampla visão da paisagem de Marte captada pelo rover Curiosity, diz um comunicado oficial no site da agência espacial.

ubiie Redação

Publicado

em

Relata-se que o veículo desceu do cume de Vera Rubin, localizado no Monte Sharp, o pico central da cratera marciana Gale, depois de mais de um ano de pesquisa. Antes de sair, o Curiosity fez um registro de 360 graus da paisagem de sua última área de perfuração no cume do Rock Hall. O rover vai passar o próximo ano explorando os depósitos de argila da região.

Em 2012, o rover Curiosity pousou na área da cratera marciana Gale, onde as camadas profundas do solo marciano são claramente visíveis, revelando a história geológica do planeta.

As principais tarefas da missão Curiosity no Planeta Vermelho são conduzir estudos geológicos e geoquímicos detalhados, estudar a atmosfera e o clima e procurar água ou indícios de sua presença e matéria orgânica. Esses dados ajudarão a determinar se Marte já foi habitável e se há lugares adequados para a vida atualmente.

0
0
Continuar lendo

Espaço

Administrador da NASA anuncia planos de enviar e manter humanos na Lua

O administrador da agência espacial norte-americana, Jim Bridenstine, disse que a NASA planeja enviar pessoas à Lua e a Marte, bem como mantê-las lá por mais tempo.

ubiie Redação

Publicado

em

Bridenstine detalhou em comunicado os objetivos da agência para que os astronautas explorem mais a superfície por períodos mais longos.

“Como um apoiador de longa data da NASA, estou muito feliz de estar falando mais uma vez sobre o pouso de humanos na Lua. Mas, para alguns, dizer que estamos voltando para a lua, significa que faremos o mesmo que fizemos há 50 anos. Eu quero ser claro — não é assim que vemos a questão”, escreveu Bridenstine em seu post no blog da Ozy.

A pedido do líder americano, Donald Trump, e do Congresso dos EUA, o administrador convocou “os melhores e mais brilhantes [especialistas] da indústria americana para ajudar a projetar e desenvolver aterrissadores lunares para humanos”.

“Estamos indo para a Lua com novas tecnologias e sistemas inovadores para explorar mais locais em toda a superfície do que imaginávamos ser possível. Desta vez, quando formos à lua, nós ficaremos lá”, acrescentou.

A NASA começará a avançar com seus planos na próxima semana, quando os parceiros da indústria privada e de outras partes do mundo visitarão a sede da agência espacial para discutir as sondas lunares, informou o gerente, adicionando que o objetivo da empresa é levar astronautas de volta à Lua até à próxima década.

“Bilhões de pessoas em todo o mundo assistirão à história sendo feita quando os astronautas exploram mais a superfície por mais tempo do que nunca, e nos ajudem a nos prepararmos para missões a Marte e outros destinos”, concluiu.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
110,54
JPY –0,03%
3,72
BRL +0,50%
1EUR
Euro. European Union
=
125,25
JPY +0,28%
4,21
BRL +0,81%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
414.755,10
JPY +2,87%
13.952,47
BRL +3,38%

Tokyo
Partly Cloudy
MonTueWed
min 5°C
12/6°C
17/7°C

São Paulo
25°
Partly Cloudy
MonTueWed
28/21°C
28/20°C
29/21°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana