Siga-nos

Espaço

25

Tempo estimado para a leitura: 4minuto(s) e 48segundo(s).

Bóson de Higgs é ‘maior herança’ do acelerador de partículas

No acelerador, um túnel circular de 27 quilômetros de comprimento, são geradas colisões de prótons e íons pesados a altas energias para se compreender melhor a composição do Universo

ubiie Redação

Publicado

em

O diretor de Aceleradores e Tecnologia do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) considera a descoberta do Bóson de Higgs “a maior herança” do maior acelerador de partículas do mundo, que será aposentado em 2040.

“Foi a maior descoberta da física dos últimos anos, a maior herança do LHC”, afirma Frédérick Bordry à Lusa, por conta dos 10 anos do LHC (Large Hadron Collider, Grande Colisor de Hádrons), comemorados nesta segunda-feira (10).

No acelerador, um túnel circular de 27 quilômetros de comprimento, são geradas colisões de prótons (que são hádrons) e íons pesados a altas energias para se compreender melhor a composição do Universo.

Frédérick Bordry lembra que o Bóson de Higgs, descoberto em 2012 com experiências feitas no acelerador, era a peça que faltava ao modelo-padrão da física de partículas, teoria que descreve as partículas elementares que compõem a matéria do Universo.

O Bóson de Higgs é a partícula elementar que “explica como as partículas adquirem a sua massa”. Aos que lhe perguntam para que serve na prática o Bóson de Higgs, Frédérick Bordry tem respondido que um dia servirá para alguma coisa, tem sido assim com as descobertas.

“Descobrem-se as coisas e alguns anos depois temos a sua aplicação na sociedade”, explica.

O diretor de Aceleradores e Tecnologia do CERN recorda que quando o elétron foi descoberto em 1897, pelo físico britânico Joseph John Thomson, “não se sabia o que era a eletrônica, nunca se tinha ouvido falar”.

A eletrônica, usada por exemplo em diversos componentes de computadores e equipamentos de telecomunicações, tem por base os elétrons, partículas de carga negativa. E a colisão de elétrons (contra um alvo de metal pesado) está na origem da tecnologia de raios-X usada nos exames de diagnóstico médico como radiografias ou tomografias.

Bordry reforça que a World Wide Web (www), a maior rede mundial de comunicação, foi inventada no CERN em 1989 pelo cientista britânico Tim Berners-Lee. Um caso, salienta, de como a “investigação fundamental foi transferida para a sociedade”.

Para processar os dados resultantes de bilhões de colisões de partículas, o CERN criou um sistema de cálculo computacional que serviu de modelo para o processamento de informação sobre o genoma ou o clima.

“A grande descoberta do CERN é o conhecimento”, enfatiza. Uma vez descoberto o Bóson de Higgs, a peça essencial que faltava no ‘puzzle’ da física de partículas, o que falta descobrir?

“Procurar além do Modelo-Padrão. Questão fundamental: o que pode haver além do Modelo-Padrão?”, interroga Frédérick Bordry, sublinhando que o modelo-padrão da física das partículas “só explica” uma ínfima parte da matéria do Universo, cerca de cinco por cento, a que é visível. Falta o resto, a matéria e a energia escura.

O desempenho do LHC, que tem uma ‘esperança de vida’ até 2040, vai ser melhorado para que possa “produzir dez vezes mais colisões entre 2025 e 2035”. A probabilidade de se “descobrir propriedades físicas muito raras” será maior, justifica o diretor de Aceleradores e Tecnologia do CERN.

Ao mesmo tempo que se trabalha no novo ‘upgrade’ do acelerador, que irá parar por duas vezes, entre 2019 e 2025, estão sendo desenvolvidas novas tecnologias para o seu sucessor, como “supercondutores mais potentes”. Um novo modelo de computação para tratar ‘big data’ (quantidades astronómicas de dados) terá de ser igualmente criado.

Frédérick Bordry diz que “é difícil prever como será a informática em 2040”, mas faz um reparo: “Os informáticos pensam com dez anos de avanço, os técnicos dos aceleradores com 25 anos”.

“Estamos já pensando como vamos fazer face ao grande número de dados depois de 2025”, assinala, numa referência ao ‘upgrade’ do LHC de alta luminosidade.

Em 2025, “decisões têm de ser tomadas” quanto à construção do novo acelerador de partículas, para o qual foram desenhadas duas soluções.

Uma sugere um acelerador circular de 100 quilômetros (mais 73 quilômetros do que o perímetro do LHC) que poderá fazer colisões de prótons a uma energia oito vezes mais elevada do que a do LHC e entre elétrons e pósitrons (antipartículas dos elétrons).

O segundo cenário aponta para a construção de um acelerador retilíneo com o comprimento inicial de 11 quilômetros (podendo chegar no final aos 50 quilômetros) para colidir elétrons e pósitrons. Os físicos esperam que, quer numa opção quer na outra, se possam descobrir novas partículas e saber mais sobre a composição do Universo.

1
0
Clique para comentar
Publicidade

Espaço

Astrônomos se deparam com fenômeno cósmico antes inimaginável

O astro encontrado possui características nunca vistas até hoje, representando grande importância para astronomia.

ubiie Redação

Publicado

em

Astrônomos descobriram um pulsar de rádio cujo período de rotação corresponde a 23,5 segundos, informou o portal Phys.org.

O objeto especial PSR J0250+5854 foi detectado por um grupo de especialistas liderado por Chia Min Tan, do Centro de Astrofísica Jodrell Bank da Universidade de Manchester, Reino Unido, e se encontra a 5.200 anos-luz da Terra, segundo o portal.

O pulsar foi descoberto em julho de 2017 no âmbito do programa LOFAR Tied-Array All-Sky Survey que estuda pulsares de rádio no hemisfério norte, ou seja, fontes extraterrestres de radiação com periodicidade regular. O pulsar encontrado acabou tendo a rotação mais lenta conhecida até hoje.

Para os astrônomos, é complicadíssimo encontrar pulsares com rotação superior a 5 segundos. Aliás, era considerado ser impossível a existência de um objeto deste tipo com uma rotação que possui o PSR J0250+5854.

A equipe também descobriu que este pulsar tem um campo magnético superficial de 26 trilhões de gauss e 13,7 milhões de anos de idade. Segundo os cientistas, estas características indicam que o pulsar incomum tem uma configuração bipolar de campo magnético.

Pesquisadores sublinham a importância da descoberta, pois expandiu significativamente a gama conhecida dos períodos da rotação de pulsares.

0
0
Continuar lendo

Espaço

NASA captura impressionante VÍDEO do furacão Florence minutos depois de atingir terra

ubiie Redação

Publicado

em

A NASA publicou um vídeo incrível da chegada do furacão Florence no dia 4 de setembro ao litoral dos EUA. As imagens foram captadas pelas câmeras da Estação Espacial Internacional minutos depois de o fenômeno ter atingido a praia Wrightsville, no estado da Carolina do Norte.

De acordo com a agência espacial, Florence chegou ao estado norte-americano com ventos de 144 km/h e está se movendo lentamente ao interior da Carolina do Norte a 9 km/h. Prevê-se, que o furacão deva ir a sudoeste, “aumentando a ameaça de inundações e tempestades no mar catastróficas nas áreas costeiras e residenciais da Carolina do Norte e Carolina do Sul”, segundo seu informe.

Ricky Arnold, astronauta da NASA, conseguiu captar o fenômeno em uma foto feita de seu posto orbital e a compartilhou em sua conta no Twitter. A cena revela o enorme tamanho de Florence, seu olho e campos de vento, que se estendem por centenas de quilômetros.

Os meteorologistas predizem que a tormenta continue enfraquecendo, mas ainda cause chuvas recorde à medida que se desloca. O fenômeno já causou inundações, deixou árvores e estruturas caídas e mais de 320 mil residências e empresas sem energia elétrica. Na Carolina do Norte, foram registradas pelo menos cinco mortes relacionadas à tormenta.

0
0
Continuar lendo

Espaço

Terra vista do céu: blogueiros enviam câmera para estratosfera (VÍDEO)

ubiie Redação

Publicado

em

Um vídeo em 360 graus, publicado no canal Sent Into Space, mostra a Terra vista a partir da estratosfera. Os usuários admitem que essas imagens foram “a melhor coisa jamais vista”.

Um grupo de blogueiros britânicos decidiu olhar para o nosso planeta de um ângulo diferente e enviou uma câmera de 360 graus ao espaço. Eles publicaram a gravação no YouTube.

Segundo os autores do canal, este é um vídeo sem precedentes que permite um novo olhar sobre o nosso planeta.

“Isso é a melhor coisa que eu já vi”, comentou um dos usuários.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
112,37
JPY +0,08%
4,16
BRL 0,00%
1EUR
Euro. European Union
=
131,18
JPY +0,05%
4,86
BRL –0,02%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
711.483,81
JPY –0,06%
26.339,70
BRL –0,14%

Tokyo
27°
Fair
WedThuFri
27/18°C
24/19°C
22/21°C

São Paulo
19°
Fair
TueWedThu
min 18°C
28/18°C
28/18°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana