Siga-nos

Beleza e Saúde

56

Tempo estimado para a leitura: 1minuto(s) e 30segundo(s).

Cientistas descobrem analgésico mais forte do que morfina

ubiie Redação

Publicado

em

Cientistas americanos desenvolveram um analgésico considerado mais forte que a morfina, o AT-121, que não causa dependência e efeitos colaterais perigosos, relata a publicação Science Alert.

Com essa nova descoberta, é esperado que o preparado ajude a diminuir o número de mortes causadas pela dependência de medicamentos para tirar a dor e suas sobredosagens.

Somente nos Estados Unidos, em 2012 mais de 16 mil pessoas morreram devido ao uso de paliativos opioides.

O novo composto atua nos receptores opioides, onde os analgésicos tradicionais atuam, e nos receptores da nociceptina, que são moléculas de proteínas nos neurônios do cérebro e que estão envolvidas no desenvolvimento de dependências e vícios.

Testes realizados com macacos em laboratórios mostraram que o AT-121 exercia um efeito analgésico semelhante à morfina em concentrações 100 vezes menores do que o habitual.

Além disso, a droga foi capaz de reduzir o nível de dependência dos animais da oxicodona — um opioide semissintético. Foi também comprovado que altas dosagens de AT-121 não causavam dificuldades respiratórias e distúrbios na atividade do sistema cardiovascular.

Através de futuros testes, que serão realizados em pessoas, os pesquisadores esperam que os resultados sejam confirmados.

2
0
Clique para comentar
Publicidade

Beleza e Saúde

Entenda o que ocorre com seu coração durante a prática de exercícios

Especialista conta como a atividade física diária influencia no fortalecimento, crescimento e ritmação do coração

ubiie Redação

Publicado

em

Sabe-se que a prática regular de exercícios físicos, numa média de 150 minutos/semana com intensidade moderada ou 75 minutos/semana com intensidade vigorosa, como o recomendado pela Organização Mundial da Saúde, está diretamente associada a uma boa saúde cardiovascular e também à redução de risco de doenças cardíacas. Mas o que, de fato, acontece com o coração durante alguns minutos de atividade física?

Segundo o cirurgião cardiovascular, Dr. Marcelo Sobral, exercícios como os aeróbicos – aqueles de menor impacto e que são feitos com “respiração normal”, ou seja, sem faltar o fôlego, como correr, caminhar e pedalar – são os mais benéficos à saúde, já que fortalecem os músculos do corpo todo, incluindo o coração, que também é um músculo.

“Durante o exercício, além de ficarem mais fortes, estes músculos crescem e para que haja essa hipertrofia, eles acabam exigindo mais sangue, estimulando a circulação sanguínea em todo o corpo. Neste processo as artérias coronárias ficam mais vigorosas e novos vasos sanguíneos podem ser criados, melhorando a função do coração”, afirma Sobral.

De acordo com o especialista, quando a prática de atividade física é diária e sem exageros, há mudança no padrão dos batimentos cardíacos, que passam a funcionar de forma mais controlada e ritmada. “Ao contrário do que muitos pensam, a aceleração dos batimentos durante o exercício não leva à arritmia cardíaca, mas é altamente benéfica para o organismo já que durante a pratica diversas reações químicas acontecem, como a liberação de hormônios, enzimas e proteínas, ajudando a equilibrar todo o metabolismo”, explica.

Sobral ressalta que antes de se aventurar pela prática de exercícios físicos rotineiros, é importante passar por uma avaliação médica e, no caso de pessoas que já apresentam complicações cardíacas, será indicado o tipo de exercício e sua intensidade ideal. “Além dos benefícios já citados, exercitar-se da forma correta ajudará, independente da idade ou do estado clínico, a tornar veias e artérias mais eficientes, a produzir mais do colesterol bom (HDL) e a melhorar, além da circulação de forma geral, também os níveis de açúcar no sangue e estresse”, conclui o cirurgião.

0
0
Continuar lendo

Beleza e Saúde

Menina de 5 anos bomba no Instagram com cabelo ‘supervolumoso’

Mia Aflalo tem cabeleira de gente grande

ubiie Redação

Publicado

em

Além da beleza e simpatia, Mia Aflalo, de apenas 5 aninhos conquistou o mercado da moda e a internet por conta da sua vasta cabeleira. Natural de Tel Aviv, Israel, a menina ostenta milhares de seguidores no Instagram e uma série de penteados com o cabelão em evidência.

As madeixas já renderam até um ensaio para edição britânica da revista “Vogue”.

Há quem diga, porém, que o visual de Mia é inapropriado para a sua pouca idade.

0
0
Continuar lendo

Beleza e Saúde

Por que o abuso de álcool impacta mais as mulheres que os homens

ubiie Redação

Publicado

em

Mulheres que bebem em excesso desenvolvem doenças cardíacas e hepáticas com mais rapidez do que os homens

Os homens costumavam ser os grandes consumidores de bebida alcoólica da sociedade ocidental – talvez Don Draper, o anti-herói da série americanaMad Men, seja a melhor representação deste estereótipo na cultura popular.

No seriado, ambientado nos anos 1960, não faltam doses de uísque no escritório, almoços regados a coquetéis e rodadas de drinques após o expediente. Naquela época, o bar era um lugar em que poucas mulheres se atreviam a pisar.

No entanto, epidemiologistas observam que o aumento das propagandas de bebida direcionadas às mulheres e as mudanças nos papéis atribuídos aos gêneros alteraram gradativamente esse cenário.

No geral, os homens ainda são quase duas vezes mais propensos a consumir álcool em excesso do que as mulheres. Mas isso não se aplica, especificamente, aos mais jovens. Na verdade, as mulheres nascidas entre 1991 e 2000 bebem tanto quanto os homens da mesma geração – e podem vir a superá-los.

Ao mesmo tempo, elas estão sofrendo cada vez mais com os efeitos nocivos do álcool. Pesquisas mostram que, de 2000 a 2015, houve um aumento de 57% na taxa de mortalidade por cirrose entre mulheres de 45 a 64 anos nos Estados Unidos, comparado a um percentual de 21% entre os homens da mesma idade. Na faixa dos 25 aos 44 anos, a alta foi de 18%, enquanto, entre o sexo masculino, houve uma queda 10%.

O número de mulheres adultas que dão entrada em emergências de hospital por overdose de álcool também está subindo rapidamente. E os padrões de consumo de risco vêm aumentando, particularmente, entre o sexo feminino.

Mas o problema não é apenas que elas estão bebendo mais. Pesquisadores descobriram que o corpo feminino é afetado de maneira diferente pelo álcool – por razões que vão além da estatura.

Mulheres têm uma maior vulnerabilidade fisiológica ao álcool


Níveis de gordura e água corporal fazem com que as mulheres respondam ao álcool de forma diferente do que os homens

De acordo com cientistas, as mulheres produzem quantidades menores de uma enzima chamada álcool desidrogenase (ADH), que é liberada pelo fígado e usada para metabolizar o álcool.

Além disso, a gordura retém o álcool, enquanto a água ajuda a dispersá-lo. Então, graças a seus níveis naturalmente mais altos de gordura e mais baixos de água corporal, as mulheres apresentam uma resposta fisiológica ainda mais complicada ao álcool.

“Essa vulnerabilidade é a razão pela qual vemos aumentar os problemas de saúde e distúrbios relacionados ao álcool entre as mulheres em comparação com os homens”, diz Dawn Sugarman, professora da Escola de Medicina de Harvard e psicóloga do Hospital McLean, nos Estados Unidos.

As mulheres que consomem álcool em excesso também tendem a desenvolver dependência e outros problemas de saúde com mais rapidez que os homens. É o chamado efeito “telescópico”: elas costumam começar a beber mais tarde que os homens, mas levam muito menos tempo para se tornar dependentes e apresentar doenças hepáticas ou cardíacas.


Até a década de 1990, quase todos os estudos clínicos sobre álcool eram feitos apenas com homens

Muitas diferenças sobre o efeito do álcool no organismo de homens e mulheres só foram descobertas nas últimas décadas. O primeiro estudo sobre produção de ADH, baseado nas distinções de gênero, por exemplo, foi publicado em 1990.

Na verdade, quase todas as pesquisas clínicas sobre álcool foram feitas inteiramente com homens até a década de 1990. Em parte, porque os cientistas eram incentivados a eliminar o maior número de variáveis possíveis, que pudessem influenciar os resultados de um experimento – e uma delas era o gênero.

Como o alcoolismo era considerado um problema predominantemente masculino, ninguém pensou nas consequências de não se estudar a relação entre as mulheres e o álcool.

Esse cenário mudou quando organizações governamentais, como os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos, determinaram que mulheres e minorias fossem incluídas em estudos clínicos. Foi assim que as lacunas de gênero no campo da pesquisa médica começaram a ser preenchidas.

“As pessoas simplesmente não pensavam nas mulheres”, diz Sharon Wilsnack, professora de Psiquiatria e Ciências Comportamentais da Universidade de Dakota do Norte, nos EUA.

“E, quando pensavam, apenas presumiam que você poderia estudar os homens e aplicar (os resultados) às mulheres.”


As mulheres começam a beber por motivos diferentes dos homens

Durante o doutorado, na Universidade de Harvard, no início dos anos 1970, Wilsnack escreveu uma dissertação sobre mulheres e álcool. A revisão da literatura contou apenas com sete estudos encontrados na biblioteca.

Junto ao marido, que é sociólogo, Wilsnack passou a liderar o primeiro estudo nacional de longo prazo sobre o hábito de beber das mulheres.

Entre suas muitas descobertas, estava a constatação que parte das mulheres que abusam do álcool sofreram abuso sexual na infância, uma diferença de gênero que passou a ser considerada crucial para ajudar mulheres com dependência.

Mulheres bebem por motivos diferentes dos homens

Desde então, pesquisas sobre álcool baseada em gênero revelaram uma série de outros resultados específicos para cada sexo.

Nos anos 2000, exames pareciam mostrar que os cérebros das mulheres são mais sensíveis ao álcool que o dos homens. Mas Marlene Oscar-Berman, professora de Anatomia e Neuropsicologia da Universidade de Boston, fez uma descoberta que provocou uma reviravolta nesse campo.

Em uma pesquisa que contou com participantes com e sem histórico de alcoolismo, sua equipe percebeu que os homens alcoólatras tinham “centros de recompensa” cerebrais menores do que aqueles que não bebiam.

Essa área do cérebro, composta por partes do sistema límbico e do córtex frontal, está ligada à motivação – fundamental para tomar decisões e até mesmo para sobrevivência básica.

Mas, nas mulheres com dependência, os centros de recompensa eram maiores do que o das não alcoólatras – o que significa que seus cérebros estavam menos danificados do que o dos homens.


Elas reagem melhor aos tratamentos quando participam de grupos só para mulheres

“A pesquisa mostrou que estávamos errados”, diz Oscar-Berman. “Nossas descobertas vão de encontro à ideia geral de que as mulheres são mais suscetíveis aos danos do álcool no cérebro do que os homens.” Os cientistas ainda não sabem, no entanto, o que pode causar essas diferenças.

Segundo Sugarman, descobertas como essa reforçam a importância de estudos específicos de gênero sobre álcool e dependência.

Ela cita pesquisas recentes que mostram que as mulheres dependentes de álcool têm uma resposta melhor quando participam de grupos de tratamento exclusivo para o sexo feminino, que também educam sobre questões específicas de gênero relacionadas à dependência e à motivação para beber.

Talvez não seja surpresa, mas as razões femininas são diferentes das masculinas. Estudos relevam que o consumo de bebida alcoólica por mulheres está ligado a questões emocionais, enquanto os homens são mais movidos pela pressão social.

“Algumas mulheres já tinham feito tratamento (de alcoolismo) cinco, seis, dez vezes antes, e estavam dizendo coisas como ‘nunca ouvi dizer que sou mais suscetível ao álcool do que os homens, ou que essas substâncias me afetam de maneira diferente'”, conta Sugarman.

Por causa das motivações distintas, das vulnerabilidades biológicas e especialmente do vínculo entre o alcoolismo e traumas do passado, as necessidades de tratamento femininas podem ser diferentes das masculinas.

Por exemplo, mulheres que foram vítimas de abusos sexuais podem não se sentir seguras ao entrar em um grupo de terapia padrão, onde 70% dos participantes costumam ser homens. Para elas, é benéfico ouvir histórias de outras mulheres e saber que não estão sozinhas.

Pelo menos, dizem os especialistas, ficaram para trás os dias em que se acreditava que pesquisas sobre consumo de álcool feitas com homens poderiam simplesmente ser aplicadas às mulheres.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
112,33
JPY +0,04%
4,16
BRL 0,00%
1EUR
Euro. European Union
=
131,44
JPY +0,25%
4,87
BRL +0,21%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
713.136,65
JPY +0,18%
26.411,54
BRL +0,14%

Tokyo
23°
Partly Cloudy
WedThuFri
min 19°C
24/18°C
22/21°C

São Paulo
18°
Fair
WedThuFri
28/17°C
26/17°C
24/17°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana