Siga-nos

Tecnologia

107

Tempo estimado para a leitura: 2minuto(s) e 47segundo(s).

São reveladas as armas mais ‘humanas’ do mundo

Hoje em dia as armas acústicas, de micro-ondas e de lazer são consideradas as mais promissoras entre os armamentos não letais, escreve o colunista da Sputnik Andrei Kots.

ubiie Redação

Publicado

em

O autor sublinha que, no início deste século, os EUA criaram um canhão acústico LRAD (Long Range Acoustic Device, ou seja, Aparelho Acústico de Longo Alcance) que atinge uma pessoa com uma onde de som de 150 decibéis, sendo que o barulho de um caça reativo é de 120 decibéis, o que ensurdece a pessoa e provoca um choque de dor.

O sistema LRAD é usado para dispersar manifestantes e proteger os navios de piratas.

Outro exemplo de armas não letais é o projeto norte-americano de canhão de micro-ondas ADS (Active Denial System, ou Sistema de Recusa Ativa), lançado nos fins da década de 90.
O aparelho, que emite ondas eletromagnéticas com frequência de cerca de 94 gigahertz, provoca um choque de curto prazo nas pessoas. Os indivíduos atingidos sentem forte comichão e sensação de queimadura por todo o corpo. Após cinco segundos, a dor se torna insuportável e, se for um soldado, este fica incapaz de combater.

Na Rússia hoje em dia também estão sendo elaboradas armas radioeletrônicas similares. Particularmente, a bomba eletrônica criada no âmbito do projeto Alabuga, que explode em uma altitude de 200-300 metros e não só desliga todos os equipamentos em um raio de três quilômetros e meio, mas também cega e ensurdece o inimigo, que acaba perdendo a comunicação, bem como os meios de controle e pontaria.

Entre as armas não letais estão também os lazeres de baixa potência. Por exemplo, nos EUA foi criado um protótipo de rifle de lazer PHASR (Personnel halting and stimulation response rifle, ou Rifle de Detenção de Pessoal e Estimulação de Resposta), capaz de cegar o inimigo por algum tempo. Um dos análogos desta arma é a pistola espacial de lazer criada ainda na época da URSS.

O colunista também mencionou as armas de eletrochoque entre as armas “humanas”. Em particular, a arma norte-americana Taser é de fato uma pistola que dispara dois pequenos elétrodos em cabos de cobre, cuja forte descarga neutraliza temporariamente uma pessoa.

0
0
Clique para comentar
Publicidade

Espaço

Mídia: tecnologia da Rússia supera EUA no espaço

A Rússia lidera a corrida ao desenvolvimento de tecnologia espacial e supera os EUA neste setor, o que é evidenciado, por exemplo, pela nova geração de trajes espaciais russos, reporta o jornal austríaco Der Standard.

ubiie Redação

Publicado

em

A publicação observa que, na tecnologia espacial, os Estados Unidos estão presos ao passado. No final de sua era, as espaçonaves norte-americanas voavam com computadores antigos e ultrapassados, enquanto as naves espaciais russas Soyuz eram desenvolvidas com base em tecnologias que podem ser constantemente aprimoradas.

Um exemplo da liderança da Rússia são, entre outros, os trajes espaciais que os cosmonautas russos usam na Estação Espacial Internacional (EEI). O design norte-americano foi desenvolvido há mais de 40 anos e os trajes com 15 anos de idade estão desatualizados, o que aumenta constantemente o risco para os astronautas, observa o jornal, citando especialistas da NASA.

Como exemplo do mau estado dos trajes espaciais norte-americanos, o Der Standard cita um incidente que ocorreu há cinco anos com o astronauta italiano Luca Parmitano. Durante uma caminhada espacial em seu traje espacial norte-americano, ocorreu uma falha — o sensor de dióxido de carbono parou de funcionar. O incidente não causou uma tragédia, mas uma verificação completa revelou o estado crítico desses escafandros. A NASA está atualmente trabalhando em um novo traje, mas sua criação pode demorar vários anos.

A publicação sublinha que a Rússia avançou muito nesse aspecto e já está usando os modernos trajes espaciais Orlan, que possuem um sistema integrado de arrefecimento automático, além de um sensor especial que dispara um alerta em caso de vazamento de líquidos. Destaca-se que o novo material usado na confecção do traje é mais resistente.

O traje Orlan já foi testado pelos cosmonautas russos Oleg Kononenko e Sergei Prokopiev durante uma operação recente na EEI em uma caminhada espacial. Além disso, a publicação informa que durante a preparação para voos espaciais na Cidade das Estrelas — que abriga o Centro de Treinamento de Cosmonautas Yuri Gagarin —, os novos trajes espaciais russos também serão testados por astronautas norte-americanos.

0
0
Continuar lendo

Tecnologia

Chineses utilizam tecnologia russo-italiana em gigante acelerador de partículas

O Instituto chinês de Física de Altas Energias divulgou o projeto de um acelerador de partículas de 100 quilômetros, que poderia ser uma tentativa de liderar o campo da física de partículas.

ubiie Redação

Publicado

em

Anteriormente, os chineses tentaram construir um acelerador de 50 quilômetros, entretanto, acabaram projetando um anel de 100 quilômetros.

A instalação subterrânea será em uma fábrica de bóson de Higgs, chamadas de “partículas de Deus”. Os chineses teriam como principal objetivo demonstrar a existência de uma nova física e resolver o mistério da matéria escura.
O Colisor de Pósitrons Eletrônicos Circulares (CEPC) será constituído de três instalações localizadas em um túnel, além disso, em um anel circular serão aceleradas fases de partículas originadas em um acelerador linear. Com isso, os grupos de elétrons e pósitrons serão acumulados em seus respectivos anéis, reunindo-se em fases e colidindo.

O projeto terá dois momentos de interação de fases de elétrons e pósitrons, onde serão instalados detectores para registrar os processos físicos.

Para alcançar a luminosidade desejada, o feixe de partículas deve ser muito denso, mantendo-se e focando-se por meio de fortes campos magnéticos, porém, isso não é suficiente, ou seja, é necessário que as fases contrárias colidam com o ângulo e sejam apertadas em um lugar mais fino. Para isso, os chineses utilizaram a tecnologia “crab waist” (“cintura de caranguejo”, em tradução livre), criada em conjunto por físicos russos e italianos.

Segundo Mikhail Zobov, um dos criadores da tecnologia e gerente de pesquisa tecnológica no Laboratório Nacional de Física Nuclear na Itália, o “crab waist” praticamente resolveu o principal problema da interação não linear das fases de partículas carregadas na colisão.

O especialista declarou à Sputnik que utilizou diversos trabalhos de pesquisadores soviéticos e russos como referência para desenvolver o projeto, entretanto, ele afirma que para descobrir todo o potencial é necessário resolver alguns problemas, além de obter soluções técnicas.

Uma das questões a ser resolvida é a garantia da estabilidade das fases menores e alta intensidade de partículas carregadas.
Os especialistas pretendem obter um milhão de nascimentos de bósons de Higgs em dez anos, além disso, eles afirmam que o projeto está otimizado para utilizar seu túnel de 100 quilômetros para abrigar o supercolisor de Próton-Próton a partir de 2040.

Entretanto, o projeto não agrada a todos, como é o caso do físico chinês Chen Ning Yang, ganhador do prêmio Nobel. O físico criticou o projeto devido ao seu alto custo.

Além disso, há aqueles que questionam a segurança do futuro da ciência, já que a construção do Grande Colisor de Hádrons (LHC) foi coberta por uma nuvem de incertezas quanto a altos níveis de radiação, à criação de buracos negros e a explosões supostamente capazes de destruir o planeta.

Segundo as estimativas, o acelerador chinês custará quase US$ 5 bilhões (R$ 19 bilhões) e sua construção está prevista para o período entre 2022 e 2030.

0
0
Continuar lendo

Tecnologia

Parlamento russo apresenta proposta para ‘internet própria’ contra ameaça estrangeira

Parlamentares russos introduziram legislação destinada a reduzir a dependência dos recursos de internet do país da infraestrutura estrangeira. O projeto também prevê medidas emergenciais para o caso de o país ser cortado da rede mundial.

ubiie Redação

Publicado

em

A legislação, apresentada à Duma na última terça-feira, foi redigida na esteira da “natureza agressiva da estratégia de segurança cibernética dos EUA adotada em setembro de 2018”. A estratégia esboça o desejo de Washington de manter o domínio na definição, modelagem e policiamento do ciberespaço, bem como alcançar a “paz através da força”, combatendo “atores maliciosos” como a Rússia e a China.

O principal objetivo de Moscou, de acordo com a legislação proposta, é diminuir significativamente a dependência do setor de internet russo da infraestrutura estrangeira. O documento prevê a criação de bases nacionais para manter a Internet da Rússia funcional, mesmo se os servidores no exterior ficarem indisponíveis por qualquer motivo. Isso inclui a criação de um sistema inteiramente novo de nomes de domínio nacionais, um dos patrocinadores da legislação, explicou o vice da Duma, Andrey Lugovoy.

“Não estamos criando nossa própria internet. Estamos apenas configurando uma infraestrutura de backup. Estamos a duplicá-lo localmente, para que os nossos cidadãos tenham acesso à Internet em caso de emergência”, declarou Lugovoy à Sputnik.

Além disso, o ciberespaço russo também pode estar sob a governança centralizada da agência de notícias Roscomnadzor, conhecida por suas atividades relacionadas ao bloqueio de atores desonestos que apresentam conteúdo ilegal. Espera-se que a medida seja acionada apenas em caso de “surgimento de uma ameaça à integridade, estabilidade e segurança do funcionamento da Internet na Rússia”, de acordo com a legislação proposta.

Para realmente fazer a “governança centralizada” funcionar, a legislação propõe obrigar os provedores de internet a instalar equipamentos que possam detectar a origem de qualquer tráfego na Internet.

O projeto de lei já foi bem recebido pelo Ministério das Comunicações da Rússia. Dado o escopo da ideia, no entanto, é muito difícil prever quando ela se tornaria efetiva, se a legislação for adotada.

“A tarefa é global”, comentou o vice-ministro de comunicações, Oleg Ivanov. “Definitivamente não pode ser feito dentro de um ano, levaria vários. Precisamos investigar isso detalhadamente quando esse sistema é projetado. Então podemos falar sobre um cronograma realista”.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
112,36
JPY –0,15%
3,90
BRL –0,28%
1EUR
Euro. European Union
=
128,13
JPY +0,10%
4,45
BRL –0,03%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
432.514,51
JPY +4,15%
15.019,34
BRL +4,02%

Tokyo
Clear
WedThuFri
min 4°C
13/3°C
13/7°C

São Paulo
27°
Fair
WedThuFri
29/21°C
32/22°C
32/22°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana