Siga-nos

Você viu?

182

Tempo estimado para a leitura: 2minuto(s) e 38segundo(s).

Cientistas testam primeira radiografia 3D e a cores

Produto usa tecnologia do Cern e promete avanços

ubiie Redação

Publicado

em

A primeira radiografia 3D e a cores de um ser humano já é realidade. Capaz de revelar até a composição química de tecidos humanos como um microscópio, o equipamento será testado pela primeira vez em uma clínica, com o objetivo de oferecer diagnósticos mais certeiros e tratamentos personalizados.

A máquina foi idealizada pela companhia da Nova Zelândia Mars Bioimaging, graças a um scanner especial que usa o revelador Medipix, desenvolvido pela Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (Cern), em Genebra, para ir atrás do Bóson de Higgs.

O primeiro a prová-la foi o fundador da Mars Bioimaging, Phil Butler, que a testou em seu próprio corpo. Na foto da radiografia, um relógio aparece em torno de um pulso de ossos brancos e músculos vermelhos, em detalhes surpreendentes.

Butler é físico da Universidade de Canterbury e desenvolvedor do scanner. Ele realizou o teste junto ao seu filho, Anthony, radiólogo e professor nas universidades de Canterbury e Otago. “Os primeiros resultados desse estudo sugerem que, quando forem usadas em clínicas, as imagens espectrais permitirão diagnósticos mais assertivos e tratamentos personalizados”, explica Anthony.

A máquina combina informações espectostrópicas obtidas do raio-X com potentes algoritmos que geram imagens tridimensionais: as cores representam diversos níveis de energia das fotos do raio-X, permitindo identificar os diversos componentes do corpo humano, como a gordura, o cálcio, a água e marcadores que “vigiam” doenças. No passado, uma versão menor do scanner já foi testada para estudar tumores, ossos e doenças cardiovasculares.

0
0
Clique para comentar
Publicidade

Você viu?

Viajar à Estação Espacial será mais rápido do que ir de Moscou à Bruxelas, diz chefe russo

Com a Rússia testando um trajeto mais rápido para abastecer a Estação Espacial Internacional (EEI), logo esta viagem será de apenas três horas, segundo Dmitry Rogozin, chefe da Roscosmos.

ubiie Redação

Publicado

em

Em julho, o cargueiro Progress usou um encontro de duas órbitas para alcançar a EEI pela primeira vez na história. A viagem durou cerca de 3 horas e 40 minutos. Rogozin prometeu tempos de viagem ainda mais curtos para os membros da tripulação e possíveis turistas espaciais quando o esquema for expandido para a espaçonave Soyuz.

“Em seis meses estaremos entregando tripulantes e turistas para a EEI mais rápido do que um voo de Moscou para Bruxelas”, escreveu ele no Twitter.

Durante décadas, lançamentos russos e norte-americanos viajaram por dois dias antes de ancorarem cuidadosamente a estação espacial. Um esquema de quatro órbitas e seis horas foi introduzido em 2012, tornando a viagem muito mais confortável.

Manobras rápidas de encontro foram historicamente usadas quando a URSS e os EUA estavam desenvolvendo suas tecnologias de ancoragem espacial, mas essas missões exigiam que o navio alvo fosse colocado em uma órbita especial.

O recorde mundial de tempo entre o lançamento e o encaixe é realizado pela missão Soyuz não-tripulada soviética de 1968, visando a estação Kosmos-213, que levou apenas 47 minutos. O encontro mais rápido foi feito por Georgy Beregovoy em cerca de uma hora, mas o processo de atracação foi abortado.

Mas a operação a longo prazo da estação espacial exigia uma órbita menos adequada para um encontro rápido, o que fazia com que as viagens ao Skylab, à Mir e agora à EEI levassem mais órbitas e tempo.

A próxima missão de suprimento de progresso de órbita da Rússia está marcada para março.

0
0
Continuar lendo

Você viu?

NASA: degelo da Antártida terá consequências desastrosas para o planeta inteiro (FOTO)

A NASA descobriu que as geleiras na Antártida Oriental, antes consideradas estáveis e não sujeitas a mudanças globais, começaram a derreter rapidamente.

ubiie Redação

Publicado

em

O estudo com as conclusões correspondentes foi publicado no site oficial da agência espacial norte-americana.

Podendo vir a alterar as linhas da costa à volta do mundo, o maior glaciar da Antártida Oriental está derretendo. Armada com um novo mapa da espessura do gelo, a @NASA _ICE descobriu que o mesmo está ocorrendo com os outros glaciares próximos.

É relatado que, se estas geleiras derreterem no futuro, isso terá consequências desastrosas para o planeta inteiro, uma vez que a água derretida elevará significativamente o nível dos oceanos.

Em particular, é referido que o glaciar Totten, o maior desta região, começou a degelar. Se desaparecer completamente, o nível da água do mar no mundo aumentará em mais de três metros.

Além disso, geleiras menores, tais como a Underwood, Bond, Adams e Vanderford, também começaram a derreter. Em comparação com 2008, a altura dessas geleiras diminuiu em quase três metros e cada ano perdem cerca de 25 centímetros de altura.

Segundo a NASA, a principal razão da aceleração do derretimento das geleiras é a água morna que é empurrada das profundidades para a superfície devido a mudanças no nível de gelo no oceano.

0
0
Continuar lendo

Você viu?

Número de brasileiros barrados de entrar na Europa cresce 50% em um ano

Entre janeiro e junho, 2.225 cidadãos do Brasil foram barrados no continente

ubiie Redação

Publicado

em

A quantidade de brasileiros impedidos de entrar na Europa nos primeiros seis meses de 2018 aumentou 50% em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com o mais recente relatório da Frontex, a agência de fronteiras europeia.

Entre janeiro e junho, 2.225 cidadãos do Brasil foram barrados no continente. Isso equivale a mais de 12 pessoas impedidas de entrar na Europa diariamente. O país está na nona posição entre as nacionalidades mais afetadas.

Se consideradas apenas as entradas negadas nos aeroportos, a situação é ainda mais representativa. Os brasileiros só perdem para os cidadãos da Albânia entre as nacionalidades com mais recusas de entrada na União Europeia.

Segundo a Frontex, a maioria dos casos aconteceu porque os brasileiros não possuíam “documentação apropriada para justificar o motivo da viagem e as condições da estadia”.

O número de brasileiros impedidos de entrar na Europa já foi bem maior. Em 2008, por exemplo, mais de 11 mil cidadãos do país não puderam entrar no continente. Os números caíram significativamente ao longo dos anos, até chegarem ao mínimo de 2.313 barrados em 2014.

Desde que a crise política e econômica se intensificou no Brasil, no entanto, as dificuldades nas fronteiras europeias têm aumentado. O número de barrados saltou para 3.701 em 2016: uma alta de mais de 60% em dois anos.

Em 2017, o número voltou a cair, ficando em 3.143. Neste ano, a tendência de alta voltou a ser observada.

A quantidade crescente de deportações também sinaliza o aumento de migrantes brasileiros sem a documentação adequada.

Nos primeiros seis meses de 2018, 1.037 brasileiros foram forçados a sair da União Europeia. Uma alta de 35% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Em Portugal, uma das principais portas de entrada dos brasileiros para a Europa, a quantidade de pessoas impedidas de entrar no país também segue em alta.

Após atingir o mínimo histórico em 2013, quando apenas 299 pessoas foram barradas, os números não param de subir. Em 2017, 1.336 brasileiros foram recusados em Portugal.

Números do SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) divulgados pelo jornal Expresso indicam que, até 31 de agosto de 2018, 1.655 cidadãos do Brasil foram impedidos de entrar em território luso.

Isso representa um aumento de 23,8% em relação ao total do ano anterior, que já havia sido de alta.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
112,34
JPY –0,16%
3,89
BRL –0,48%
1EUR
Euro. European Union
=
128,08
JPY +0,06%
4,44
BRL –0,26%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
436.131,61
JPY +4,94%
15.116,53
BRL +4,64%

Tokyo
Clear
WedThuFri
min 4°C
13/3°C
13/7°C

São Paulo
27°
Fair
WedThuFri
29/21°C
32/22°C
32/22°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana