Siga-nos

Mundo

135

Tempo estimado para a leitura: 3minuto(s) e 18segundo(s).

Apreensão de imigrantes na fronteira dos EUA salta 92% no semestre

Dado foi divulgado na quinta (5) pelo serviço de Alfândega e Proteção das Fronteiras dos Estados Unidos

ubiie Redação

Publicado

em

Apesar do endurecimento da política migratória de Donald Trumo, o número de imigrantes apreendidos ou barrados na fronteira dos Estados Unidos com o México cresceu 91,6% no primeiro semestre do ano em relação ao mesmo período de 2017.

O dado foi divulgado nesta quinta (5) pelo serviço de Alfândega e Proteção das Fronteiras dos Estados Unidos.

Até junho, 268.182 imigrantes foram apreendidos ou considerados inadmissíveis nos EUA. No mesmo intervalo de 2017, foram 139.969.

Para Jeanne Batalova, analista do Instituto de Políticas de Migração, é cedo para atribuir o aumento das apreensões e inadmissões à política de tolerância zero adotada pelo governo do republicano Donald Trump a partir de abril.

Ela diz que é preciso colocar os dados do primeiro semestre deste ano em contexto. Embora represente um salto em relação ao mesmo intervalo de 2017, os números não destoam tanto se comparados a anos anteriores. Nos seis meses iniciais de 2016, por exemplo, foram 267.746 imigrantes apreendidos ou considerados inadmissíveis. Em 2015, foram 219.480.

Batalova explica que a queda registrada em 2017 foi uma exceção. “No ano passado, os números caíram após a posse de Trump, pois as pessoas esperaram para saber que políticas ele iria implementar”, diz.

“Como viram que, apesar das várias declarações e críticas, nenhuma ação foi adotada, o fluxo migratório retornou no segundo semestre.”

Ainda conforme os dados do governo, em junho deste ano o número de apreensões e inadmissões recuou em relação a maio. Foram 42.565, ante 51.905. O governo atribui a queda à tolerância zera que passou a levar os migrantes a tribunais criminais, mas o movimento pode ser sazonal, segundo Batalova.

As altas temperaturas do verão setentrional tornam mais desgastante a travessia pelo deserto até a fronteira.

Para a analista, só em três meses será possível ter dimensão do impacto. “No outono [do hemisfério norte], quando os números tipicamente aumentam, veremos se há realmente uma trajetória de queda ou se os números vão voltar ao patamar anterior.”

Para ela, alguns fatores podem ser determinantes. “Se houver a percepção de que as condições vão ficar mais intolerantes, essas famílias podem repensar. Algumas, por terem visto a separação de pais e filhos, podem escolher não fazer a travessia”, afirma.

Ela lembra que a decisão de migrar ilegalmente é tomada após a ponderação do risco de ser flagrado e deportado, mas também das condições que levaram essas famílias a fugirem de seus países.

Por isso, Batalova não descarta a possibilidade de aumento, com famílias aproveitando a atual indefinição sobre se o governo vai manter ou abandonar a política.

O acirramento da política veio em abril. imigrantes flagrados tentando entrar ilegalmente nos EUA foram separados de seus filhos e levados a prisões federais, enquanto as crianças foram levadas a abrigos espalhados pelos EUA.

No final de junho, ante a repercussão negativa no país e no exterior, Trump assinou decreto para manter pais e filhos juntos – mas sem suspender as medidas restritivas.

Pela estimativa mais recente do governo americano, cerca de 3.000 crianças teriam sido separadas dos pais e, atualmente, estão sob custódia federal. Delas, cem teriam menos de 5 anos, segundo a CNN.

0
0
Clique para comentar
Publicidade

Mundo

Funcionária pede para idoso sair de local para não assustar clientes

A filha de Kirby ficou indignada com o ocorrido e fez um post nas rede sociais

ubiie Redação

Publicado

em

Um idoso de 65 anos foi convidado a se retirar de uma lanchonete na Carolina do Sul, EUA. A gerente do estabelecimento teria afirmado que o homem estaria assustando os clientes devido a sua aparência, e pediu para que ele cobrisse o rosto ou fosse embora. Kirby Evans, venceu um câncer de pele há sete anos e acabou ficando com algumas sequelas devido a doença, segundo informou a ‘ABC News 4’.

“Como uma pessoa pode comer alguma coisa com o rosto coberto?” afirmou o idoso que passou por cirurgia para retirar parte do nariz e do olho esquerdo devido a doença.

A filha de Kirby ficou indignada com o ocorrido e fez um post nas rede sociais denunciando o tratamento que o pai teria recebido no estabelecimento.

Após a postagem que se tornar viral, uma mulher identificada como a gerente do restaurante afirmou que não abordou o idoso na frente dos outros clientes.

“Eu não vejo absolutamente nada de errado com o que eu fiz”, comentou ela na rede social.

Depois do ocorrido Kirby afirmou que a gerente realmente fez o pedido em uma sala separada, mas considerou a situação ‘himulhante’, e contou que deixou o estabelecimento chorando.

0
0
Continuar lendo

Mundo

Trump defende continuação da venda de armas à Arábia Saudita

Apesar da crescente pressão dos congressistas para o reino ser punido devido ao desaparecimento de um jornalista

ubiie Redação

Publicado

em

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu, nessa quinta-feira (11), a continuação da venda de armas à Arábia Saudita, apesar da crescente pressão dos congressistas para o reino ser punido devido ao desaparecimento de um jornalista.

Com vários senadores pressionando a aplicação de sanções, com base numa lei de direitos humanos, e também questionandfo o apoio norte-americano à campanha de bombardeamento no Iémen, liderada pelos sauditas, Trump parece relutante em abalar uma relação que tem sido fundamental para a sua política externa no Médio Oriente.

Em particular, o republicano afirmou que suspender a venda de armas aos sauditas iria prejudicar a economia norte-americana.

“Não gosto de interromper quantidades massivas de dinheiro que estão a ser colocadas na nossa economia. Eles [os sauditas] estão gastando 110 mil milhões de dólares [R$ 377 milhões] em equipamento militar”, disse Trump, referindo-se à proposta de venda de armas anunciada em maio de 2017, quando visitou a Arábia Saudita, na sua primeira visita ao estrangeiro enquanto presidente.

O presidente norte-americano reforçou o seu argumento, adiantando que os sauditas poderiam comprar as armas aos russos ou chineses, se tivessem problemas para comprar aos EUA.

Trump manteve o discurso de que o país está sendo”muito duro” no caso de Jamal Khashoggi, exilado nos EUA. A suspeita é que ele tenha sido assassinado. O jornalista, um crítico do regime de Riade e colaborador The Washington Post, está desaparecido desde o dia 2 de outubro.

Nesta data, entrou no consulado saudita em Istambul, na Turquia, para tratar de documentação para se casar, com a sua namorada à espera no exterior, e nunca mais foi visto.

Dirigentes turcos afirmaram que receiam que os sauditas tenham morto e desmembrado Khashoggi, mas só ofereceram como prova uma gravação vídeo da entrada do jornalista na instalação diplomática e a chegada à Turquia do que descreveram como um grupo de 15 sauditas para alegadamente o atacarem.

A Arábia Saudita negou as acusações, considerando-as “sem fundamento”.

Em Istambul, a imprensa turca assegurou que aquele grupo de 15 sauditas incluía guardas, agentes dos serviços de informações, soldados e um perito em autópsias.

A revelação destes detalhes, juntamente com comentários do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, parece destinada a pressionar a Arábia Saudita a revelar o que aconteceu, se bem que também considerando a necessidade de manter investimentos sauditas na Turquia e salvaguardar as relações bilaterais.

Questionado na Casa Branca, Trump respondeu aos jornalistas que “se a situação [de Jamal Khashoggi] se revelar tão má quanto pode ser, de certeza que existem outras formas de lidar com a situação” além de cancelar a venda de armas, mas não precisou.

Antes, dissera no programa televisivo ‘Fox & Friends’, que os EUA “tinham lá investigadores e estavam trabalhando com a Turquia” e a Arábia Saudita no caso, mas também não deu qualquer prova, nem desenvolveu.

Entretanto, há uma clara e crescente separação entre muitos congressistas, que querem uma ação mais vigorosa, e Trump.

Mesmo antes do desaparecimento de Khashoggi, os congressistas têm criticado o governo saudita. Alguns não acreditam nos seus desmentidos de práticas condenáveis e contestam que não haja vídeos do consulado que mostrem Khashoggi, que no último ano tem vivido em autoexílio no estado da Virgínia.

“Há uma sensação de que têm direito a tudo. Odeio usar a palavra arrogância, que me vem quando se lida com eles [sauditas]”, afirmou o senador republicano Bob Corker, que preside à comissão senatorial dos Negócios Estrangeiros.

“Parte disto pode ser porque têm uma relação incrivelmente próxima com o Governo” de Trump, admitiu.

0
0
Continuar lendo

Mundo

Alemanha vai extraditar assassino de jornalista búlgara

O tribunal de Celle, na Baixa Saxónia, indicou que o suspeito não se opôs à extradição que pode ocorrer “nos próximos dez dias”

ubiie Redação

Publicado

em

O assassino da jornalista búlgara detido na Alemanha vai ser extraditado “em breve” para a Bulgária. Identificado como Severin Krasimirov, ele admitiu ter agredido Viktoria Marinova, disseram, nesta sexta-feira (12), fontes judiciais alemãs. O tribunal de Celle, na Baixa Saxónia, indicou que o suspeito não se opôs à extradição que pode ocorrer “nos próximos dez dias”.

Segundo o tribunal, o homem de 20 anos reconheceu que discutiu com a vítima no último sábado (6), quando se encontrava sob efeito de álcool e drogas, tendo admitido que agrediu a jornalista “com um soco na cara”.

De acordo com o depoimento que prestou perante a justiça alemã, o agressor disse também que depois “arrastou a jovem” para junto de um arbusto, mas, conforme fontes, ele “não teve intenção de agredir a vítima e negou que a tenha violado”.

Krasimirov, cidadão de origem búlgara, cujo DNA foi encontrado no local do crime, foi detido na Alemanha graças a um mandado de prisão europeu. Na quarta-feira (10), o procurador-geral búlgaro disse aos jornalistas que a linha de investigação estava explorando um “ataque espontâneo e abuso sexual da vítima”.

Morte revolta búlgaros e categoria

A morte da jornalista Viktoria Marinova, 30 anos, apresentadora da estação TVN, uma televisão local, provocou uma vaga de indignação e notícias que indicam que se tratou de um ajuste de contas por causa do trabalho que estava investigando sobre possíveis atos de corrupção cometidos por empresários e políticos.

O vice-presidente da Comissão europeia, Frans Timmermans referiu que se “tratava de uma jornalista corajosa vítima da luta pela verdade e contra a corrupção”.

Por outro lado, o primeiro-ministro búlgaro, Boiko Borissov, denunciou na quarta-feira que as conclusões foram apressadas. “Em apenas três dias já li coisas monstruosas sobre a Bulgária”.

Em um relatório da organização Repórteres Sem Fronteiras, a Bulgária ocupa a 111ª posição (num total de 180) na lista mundial sobre a liberdade de imprensa.

Para a organização não-governamental, os jornalistas de investigação estão expostos a “inúmeras formas de pressão e intimidação” e enfrentam “o monopólio midiático dos oligarcas e das autoridades alegadamente envolvidas em casos de corrupção e grupos de crime organizado”.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
112,29
JPY +0,40%
3,73
BRL –0,28%
1EUR
Euro. European Union
=
129,95
JPY +0,31%
4,31
BRL –0,37%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
728.836,45
JPY +0,68%
24.178,35
BRL 0,00%

Tokyo
16°
Mostly Cloudy
WedThuFri
22/14°C
19/13°C
18/13°C

São Paulo
20°
Fair
TueWedThu
min 18°C
27/19°C
27/19°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana