Siga-nos

Mundo

180

Tempo estimado para a leitura: 3minuto(s) e 28segundo(s).

Popularidade de Putin cai após proposta de reforma da Previdência

Aprovação do presidente despencou de 78% para 64% em junho

ubiie Redação

Publicado

em

A popularidade do presidente da Rússia, Vladimir Putin, caiu nas últimas duas semanas, segundo diversos institutos de pesquisa do país. Embora nenhum tenha feito a pergunta, o motivo é claro: a proposta de reforma da Previdência do Kremlin.

Segundo o Centro de Pesquisa de Opinião Pública Russa, que é estatal, a aprovação do presidente caiu de 78% para 64%, de 14 a 24 de junho. Segundo o Centro Levada divulgou, independente, 65% dos russos concordam com as políticas de Putin agora, contra 79% em maio. Por fim, o também público FOM viu o apoio político ao líder cair: votariam nele 54% dos eleitores na semana passada, contra 62% sete dias antes.

Para padrões ocidentais, Putin ainda é inoxidável -até porque foi reeleito em maio para um quarto mandato com 77% dos votos. Mas para o Kremlin, cioso da necessidade de manter a imagem de homem forte do presidente intocada, os sinais de alerta estão por todos os lados.

A última vez que Putin se viu nessa faixa de aprovação foi antes da reabsorção da Criméia da Ucrânia, ocorrida depois de um golpe derrubar o governo pró-russo de Kiev, em 2014. Não há nenhuma guerra nova no horizonte, mas o presidente pode tentar capitalizar o encontro de cúpula que terá com o americano Donald Trump, em Helsinki, no próximo dia 16.

O centro da polêmica proposta é a mudança da idade mínima para a aposentadoria. O governo quer que ela seja aumentada de 60 para 65 anos no caso dos homens, e de 55 para 63 anos, no das mulheres. Isso seria feito de forma escalonada: em dez anos para homens, em 14 para mulheres. O problema é que homens vivem 64 anos, em média, na Rússia, enquanto mulheres vivem 76, segundo a Organização Mundial da Saúde.

O argumento de que a pessoa vai morrer antes de se aposentar tem falado mais alto, por falacioso que seja, do que considerações sobre a solvência de um sistema herdado da antiga União Soviética. Isso ficou claro no domingo (1º), quando esse foi o mote de protestos convocados pelo ativista de oposição Alexei Navalni e sindicatos usualmente alinhados ao Kremlin, em cerca de 200 cidades da Rússia.

Não foram megaprotestos como os que Navalni comandou no ano passado contra a corrupção no governo, que lhe deram estrelato midiático imediato no Ocidente. Como manifestações estão vetadas em cidades-sede da Copa, justamente as maiores da Rússia europeia, houve pouca exposição na mídia dos atos. Mas eles reuniram grupos em locais como Vladivostok e Khabaravosk, no Extremo Oriente russo, e Murmansk, no Círculo Ártico. “Essa proposta é um crime”, publicou Navalni.

Além disso, a inédita passagem da seleção russa às quartas de final do Mundial, após derrotar a Espanha nos pênaltis na noite de domingo (1), ajudou a abafar qualquer repercussão. Uma onda de celebrações tomou conta das cidades maiores do país, com buzinaços, pessoas nas ruas até a madrugada e cantoria nunca antes vistas na Rússia de Putin.

Um manifesto online já colheu 2,6 milhões de assinatura contra a proposta, que diversos institutos dão como rejeitada por entre 80% e 90% da população. Ela foi enviada ao Parlamento no dia da abertura da Copa, o que levou à inevitável teoria de que o governo tentou acobertar sua tramitação.

O Kremlin tenta isolar Putin da polêmica, e a reforma foi proposta oficialmente pelo premiê Dmitri Medvedev, o que é inútil dado que até o calçamento da praça Vermelha sabe que nada acontece por lá sem aval do presidente.

Oficialmente, o governo diz que presidente não está preocupado com popularidade, e sim com o país, e que avaliará a proposta que for discutida no Parlamento. No passado, ele já recuou da ideia, e não seria impossível a repetição do movimento.

0
0
Clique para comentar
Publicidade

Mundo

Cachorrinho salva sua dona de ser morta por urso (FOTO)

Um cachorrinho da raça chihuahua sofreu ferimentos enquanto distraía a atenção de um urso para que sua dona pudesse escapar.

ubiie Redação

Publicado

em

Ironicamente, o nome do animal de estimação é Bear (Urso em inglês), relata o The Daily Item.

Melinda Lebarron, a dona do pequeno cão, ouviu muitos latidos e saiu de sua casa para ver o que estava acontecendo. Para seu infortúnio, ela foi atacada de surpresa e arrastada por um urso-negro. Os rastros de sangue se estenderam por quase 70 metros.

A coragem do сãozinho de estimação, que ladrou, mordeu e distraiu o animal selvagem, permitiu que Melinda escapasse e se escondesse em um arbusto.

Melinda está em estado grave e será submetida a várias cirurgias devido às mordidas e lesões que sofreu, além de ossos fraturados e cortes. Infelizmente, o cachorrinho também ficou gravemente ferido. Uma campanha foi lançada nas redes sociais para juntar dinheiro para o tratamento do herói canino. Em apenas dois dias foram arrecadados mais de US$ 4.000 (R$ 15,6 mil).

O incidente aconteceu na quarta-feira (12) no distrito de Muncy, no estado norte-americano da Pensilvânia. O urso está sendo procurado pelas autoridades competentes, que estão tentando descobrir o motivo desse ataque incomum.

0
0
Continuar lendo

Mundo

Ator da Disney é preso por tentar estuprar adolescente de 13 anos

Stoney Westmoreland faz o avô na série Andi Mack, do ‘Disney Channel’, em que contracena com vários adolescentes e crianças

ubiie Redação

Publicado

em

Stoney Westmoreland foi preso em Salt Lake City, no Estado de Utah, Estados Unidos, após marcar um encontro com um suposto adolescente de 13 anos para estuprá-lo. No entanto, a vítima era, na verdade, um policial disfarçado. O ator foi preso em flagrante no local do encontro.

O artista ficou conhecido por interpretar o avô na série Andi Mack, do ‘Disney Channel’, em que ele atua com vários adolescentes e pré-adolescentes.

Em conversas interceptadas durante a investigação, Westmoreland fazia comentários de cunho sexual e pedia o envio de fotos íntimas.

Logo após a prisão do ator, o ‘Disney Channel’ emitiu um comunicado anunciando a demissão dele. “Dada a natureza das acusações e nossa responsabilidade com o bem-estar dos nossos funcionários menores de idade, nós estamos liberando-o de seu atual papel e ele não voltará a trabalhar na série, com o fim das gravações da terceira temporada marcada para a próxima semana”, diz a nota.

O site ‘The Hollywood Life’ informou que a prisão é parte de uma operação especial em parceria entre o Departamento de Polícia de Salt Lake City e a Força Tarefa de Investigação de Exploração Infantil do FBI.

Stoney Westmoreland também participou de séries como Scandal, Better Call Saul e CSI Miami.

0
0
Continuar lendo

Mundo

NYT: emissora pagou US$ 9,5 milhões para atriz se calar sobre assédio

Acordo só veio à tona porque, desde agosto, o canal de televisão vem passando por uma investigação interna proposta pela própria empresa

ubiie Redação

Publicado

em

A emissora americana de televisão CBS pagou à atriz Eliza Dushku a quantia de US$ 9,5 milhões (ou o equivalente a R$ 37,1 milhões) em um acordo para que ela não se manifestasse sobre acusações de assédio sexual de que teria sido vítima. As informações são do jornal The New York Times.

Segundo a publicação, a atriz de “Buffy: A Caça Vampiros” foi contratada em 2017 para aparecer em três episódios da série “Bull”, exibida no horário nobre na grade da CBS. Durante as filmagens, o ator principal da atração, Michael Weatherly, teria feito comentários sobre a aparência de Dushku, além de proferir piadas sobre estupro e sugerir sexo a três. Após confrontá-lo, ela teria sido dispensada da série.

Num processo interno e confidencial na CBS, a emissora ofereceu os US$ 9,5 milhões -quantia equivalente ao que ela teria recebido caso permanecesse no elenco de “Bull” por quatro temporadas.

O acordo só veio à tona porque, desde agosto, o canal de televisão vem passando por uma investigação interna proposta pela própria empresa. Um escritório de advocacia foi contratado para examinar acusações de assédio movidas contra Leslie Moonves, ex-presidente da CBS.

Moonves, que deixou o cargo em setembro após 15 anos, enfrenta queixas de pelo menos 12 mulheres que trabalharam com ele.

Segundo o relatório dos advogados, a que o New York times teve acesso, o caso de Dushku é “emblemático” de problemas em todos os níveis da CBS.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
112,34
JPY –0,16%
3,89
BRL –0,48%
1EUR
Euro. European Union
=
128,08
JPY +0,06%
4,44
BRL –0,26%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
436.131,61
JPY +4,94%
15.116,53
BRL +4,64%

Tokyo
Clear
WedThuFri
min 4°C
13/3°C
13/7°C

São Paulo
27°
Fair
WedThuFri
29/21°C
32/22°C
32/22°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana