Siga-nos

Rede social

138

Tempo estimado para a leitura: 3minuto(s) e 47segundo(s).

Facebook adota ferramentas de transparência para anúncios políticos

Empresa argumentou que as medidas visam coibir o mau uso da rede social

ubiie Redação

Publicado

em

O Facebook divulgou em nota nesta quinta-feira (28) que vai adotar no Brasil, antes das eleições deste ano, ferramentas de transparência em anúncios políticos. Os recursos já haviam sido divulgados em maio pela empresa, mas estavam funcionando em poucos países, como nos Estados Unidos. A medida tem como foco as eleições, valendo para conteúdos políticos em geral.

Os anúncios políticos impulsionados por páginas entraram na mira de questionamentos de autoridades e organizações da sociedade civil quando o Facebook passou a ser questionado pela influência em disputas como as eleições dos Estados Unidos de 2016 e o referendo de saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit.

A empresa foi bastante criticada pelo vazamento de dados de milhões de usuários, que teriam sido usados pela empresa britânica de marketing digital Cambridge Analytica, no pleito de 2016, em favor do ganhador, hoje o presidente Donald Trump. A possível influência de forças russas neste processo, por meio da plataforma, motivou a abertura de uma investigação no Congresso do país.

Os usuários poderão visualizar os anúncios que estão sendo promovidos por uma página. Isso não apenas caso eles apareçam nos conteúdos da linha do tempo (chamada de feed de notícias), mas também ao acessar o endereço de cada página. Isso valerá também para outros serviços da empresa, como Instagram e Messenger. Para acessar a informação, o usuário deve procurar pelo link “informações e anúncios”. Também haverá a possibilidade de denunciar este tipo de conteúdo.

Será criada uma identificação de anúncios políticos, para diferenciá-los de outros. Essa foi uma preocupação manifestada nos Estados Unidos, já que o design do feed de notícias não destacava este tipo de conteúdo, por vezes possibilitando a confusão deles com outros anúncios ou até mesmo com notícias não pagas.

Como a legislação brasileira só permite o anúncio pago nas eleições por candidatos, devem aparecer com este rótulo as publicações impulsionadas de quem está disputando algum cargo.

Outro recurso nas páginas será o chamado “arquivo”, onde ficarão os anúncios veiculados por aquele perfil. Este tipo de recurso foi cobrado por autoridades e especialistas pela preocupação de que a segmentação e personalização de anúncios poderia ser explorada por um candidato, enviando mensagens direcionadas a cada público que poderiam ser, inclusive, contraditórias entre si.

Com a possibilidade de acessar um arquivo, o eleitor pode ver tudo o que o candidato vai impulsionar na plataforma.

O Facebook anunciou também que serão disponibilizadas mais informações sobre as páginas, independentemente de veicularem ou não anúncios. O Facebook não detalhou que tipo de informações serão acrescidas, mas citou como exemplos os nomes antigos (é possível trocar os nomes das páginas na plataforma) e as datas de criação (recurso que pode ajudar a identificar perfis criados especificamente para eleições ou para determinadas ações, como impulsionar anúncios).

Além destas medidas, em abril a companhia já havia divulgado outras regras para as páginas. Entre elas, a fiscalização dos responsáveis por estes perfis, para garantir a identificação no caso de muitos seguidores. No primeiro trimestre, a empresa derrubou seis milhões de contas falsas por dia a partir deste tipo de monitoramento.

O Facebook argumentou que as medidas visam coibir o mau uso da plataforma.

“Ao lançar uma luz sobre todos os anúncios, bem como sobre as páginas que estão rodando esses anúncios, conseguiremos evitar abusos, ajudando a garantir que pessoas mal intencionadas tenham responsabilidade sobre os anúncios que fizerem”, afirmou o comunicado, assinado pelo diretor de gerenciamento de produto, Rob Leathern, e a diretora de marketing de produto, Emma Rodgers.

Na avaliação da advogada especialista em direito digital e integrante do Comitê Gestor da Internet no Brasil Flávia Lefévre, a possibilidade de acessar os anúncios independentemente do que aparece no feed de notícias ajuda a furar as “bolhas” causadas pela seleção de conteúdos operada pelos algoritmos do Facebook.

Por outro lado, a advogada se preocupa com a fiscalização dos responsáveis pelas páginas. “A possibilidade de você ter um pseudônimo, uma conta alternativa, fortalece sua liberdade de expressão. A gente tem tido casos de jornalistas e comunicadores ameaçados e sendo mortos porque defendem determinadas ideias, então isso pode calar a boca de muita gente”, alertou.

0
0
Clique para comentar
Publicidade

Rede social

Facebook confirma que hackers roubaram dados de 29 milhões de usuários

Invasores tiveram acesso a dados de contato, informações pessoais e de localização de pessoas

ubiie Redação

Publicado

em

O Facebook confirmou, nesta sexta-feira (12), que dados pessoais de 29 milhões de usuários foram roubados por hackers.

Os hacker conseguiram acessar detalhes de contato, incluindo nome, número de telefone e email, de 15 milhões de pessoas.

Outras 14 milhões tiveram ainda mais dados acessados, como nome de usuário, gênero, localidade, idioma, status de relacionamento, religião, cidade natal, data de nascimento, dispositivos usados para acessar o Facebook, educação, trabalho e os últimos dez locais onde estiveram ou em que foram marcados.

“Estamos cooperando com o FBI, que está investigando ativamente e nos pediu para não discutir quem pode estar por trás desse ataque”, disse o Facebook em seu comunicado.

A companhia afirmou que usuários podem encontrar mais informações sobre segurança da conta nesta página, e que enviará e-mails para os quase 30 milhões de usuários atingidos para explicar o ocorrido.

O Facebook ainda disse que o ataque não inclui outros aplicativos controlados pelo mesmo grupo econômico, como: Messenger, Messenger Kids, Instagram, WhatsApp, Oculus, Workplace, Pages, entre outros.

O ataque já havia sido anunciado pela empresa no fim de setembro, quando levantou-se a suspeita de que 50 milhões de perfis haviam sido invadidos.

O acesso aos usuários ocorreu por meio de uma vulnerabilidade no código do Facebook ligada ao recurso de “Ver como” -no qual usuários conseguem ver como outras pessoas, que não são suas amigas na rede, enxergam seu perfil.

Os hackers conseguiram, por meio desse código, roubar tokens de acesso às contas. Os tokens de acesso são como chaves digitais que mantêm as pessoas logadas à rede para que não tenham que preencher seu usuário e senha sempre que acessem suas contas.

Por isso, no dia do anúncio dos ataques, milhões de usuários encontraram suas contas deslogadas -medida tomada pelo Facebook, juntamente de outras ações para corrigir a falha de segurança.

0
0
Continuar lendo

Rede social

Perguntas e respostas sobre o problema de segurança do Facebook

Empresa deslogou a conta de 90 milhões de usuários recentemente
.

ubiie Redação

Publicado

em

O Facebook anunciou nesta sexta-feira (28) que invasores roubaram tokens de acesso na rede social e que a vulnerabilidade afetou 50 milhões de contas, que tem 2 bilhões de usuários no mundo.

Como medida de segurança, a empresa deslogou a conta de 90 milhões de usuários, o que significa que quem entrava na rede social de modo automático, sem incluir a senha, foi desconectado e precisou incluir a senha novamente.

Até agora, a empresa não registrou o vazamento de informações pessoais na internet, mas especialistas em segurança da informação alertam que o roubo de tokens é perigoso, pois dá acesso à conta dos usuários e todo o seu controle, de mensagens privadas a fotos que estão públicas ou em álbuns fechados.

“Hoje você faz o login e não coloca mais a senha durante um mês, por exemplo. É assim no Google, no Facebook. No momento que você acessa, eles usam um algoritmo criptográfico que te reconhece. A pessoa fica ligada a um código, uma sequência de caracteres conhecida como token, que a autoriza”, explica Igor Rincon, especialista em segurança de informação.

Com o token, o Facebook entende que o acesso à rede social por determinado celular ou máquina é autenticado e permite o acesso da pessoa sem que ela precise digitar a senha.

Como saber se tive a conta invadida?

A empresa não anunciou quais países foram afetados, apenas que deslogou a conta de 90 milhões de pessoas. Se você não costumava colocar a senha e precisou fazer isso, há duas possibilidades: ou sua conta está entre as vulneráveis ou, no último ano, você acessou a função “ver como”, no qual usuários conseguem ver como outras pessoas enxergam seu perfil na rede social.

Verifique nas configurações de sua conta os dispositivos que estão conectados a ela e os respectivos locais de origem. Se aparecer alguma cidade que você não esteve, é provável que seu perfil tenha sido invadido.

Qual a consequência de uma invasão ao meu perfil?

Invasores podem ler mensagens privadas, olhar fotos privadas, fazer o download delas, bem como alterar informações pessoais e se fazer passar por você. Isso pode ter inúmeras implicações relacionadas à falsidade ideológica.

Como me proteger nas redes sociais?

Altere sua senha e não use a mesma em diferentes redes sociais, como LinkedIn e Twitter. Evite sequências numéricas, como número de telefone, data de nascimento e placa do carro, e palavras conhecidas de qualquer idioma.”Uma dica que costumo dar é: selecione a primeira letra de cada palavra da sua música preferida, para você ter uma referência, e inclua números e caracteres especiais no meio”, diz Fernando Amatte, diretor de ciberinteligência da Cipher.2. Habilite a verificação em dois fatores. Vá até as configurações de segurança e ative o duplo fator de autenticação. Faça isso em todas as redes sociais. Dessa forma, você só entra na rede por um dispositivo se confirmar sua identidade em outro meio, seja com QR Code ou por SMS no celular.3. Seja um usuário vigilante. Ative notificações de redes sociais no seu email para saber quando algo acontece na sua conta. Fique atento a qualquer mensagem ou notificação estranha. 4. A dica é antiga, mas tenha antivírus atualizado no computador e, se possível, obtenha um para dispositivos móveis. Se, porventura, a partir das informações acessadas no Facebook, o invasor tentar instalar algum programa na sua máquina, o antivírus detecta a movimentação.O que diz o Facebook?A empresa afirma que as investigações estão em estágio inicial. Informa que o ataque explorou uma “interação complexa envolvendo uma série de ocorrências em nossos códigos” e que nasceu de uma mudança de código feita na ferramenta de upload de vídeo em julho de 2017, que impactou a funcionalidade “Ver Como”.”Os invasores não precisaram apenas encontrar essa vulnerabilidade e usá-la para ganhar acesso a um token, mas também tiveram que ir desta conta a outras para roubar mais tokens.”Segundo o Facebook, ainda é preciso confirmar se as contas foram mal utilizadas ou se alguma informação foi acessada. É preciso ressaltar que essa vulnerabilidade de segurança não tem relação com o caso da Cambridge Analytica, que colocou a empresa em uma de suas piores crises de imagem este ano.

0
0
Continuar lendo

Rede social

Fundadores do Instagram anunciam que vão se afastar da rede social

Kevin Systrom e Mike Krieger vão deixar a empresa adquirida pelo Facebook em 2012

ubiie Redação

Publicado

em

Os fundadores da rede social Instagram, Kevin Systrom e Mike Krieger, anunciaram que vão deixar a empresa adquirida pelo Facebook em 2012, para “construir coisas novas” e “explorar novamente” a sua “criatividade e curiosidade”.

“Vamos tirar um tempo para explorar novamente a nossa curiosidade e criatividade. Construir coisas novas exige que recuemos, entendamos o que nos inspira (…) é o que planejamos fazer”, adiantou na segunda-feira o diretor executivo do Instagram, Kevin Systrom, em comunicado.

“O Mike [Krieger] e eu”, acrescentou, “somos gratos pelos últimos oito anos no Instagram e nos seis anos com a equipe do Facebook. Crescemos de 13 pessoas para quase mil, com escritórios em todo o mundo, e agora estamos prontos para o nosso próximo capítulo.”

Systrom e Krieger, fundaram o Instagram em 2010, que foi comprada dois anos depois pelo Facebook por de bilhões de dólares e conta com milhares de usuários.

Apesar dos recentes escândalos sobre questões de acesso aos dados pessoais dos usuários do Facebook e de ter sido tornado público que agentes russos realizaram com sucesso operações de manipulação política naquela rede social, com o objetivo de influenciar a eleição presidencial norte-americana de 2016, a verdade é que o Instagram tem conseguido preservar a sua imagem junto dos usuários e da opinião pública.

De acordo com o jornal The New York Times, os dois fundadores deverão abandonar oficialmente as suas funções nas próximas semanas.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
112,55
JPY 0,00%
3,71
BRL 0,00%
1EUR
Euro. European Union
=
129,75
JPY 0,00%
4,28
BRL 0,00%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
726.392,54
JPY +0,32%
23.962,94
BRL +0,32%

Tokyo
18°
Clear
SunMonTue
min 12°C
22/14°C
21/14°C

São Paulo
13°
Mostly Cloudy
SunMonTue
20/13°C
26/15°C
27/17°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana