Siga-nos

Rede social

320

Tempo estimado para a leitura: 3minuto(s) e 47segundo(s).

Facebook adota ferramentas de transparência para anúncios políticos

Empresa argumentou que as medidas visam coibir o mau uso da rede social

ubiie Redação

Publicado

em

O Facebook divulgou em nota nesta quinta-feira (28) que vai adotar no Brasil, antes das eleições deste ano, ferramentas de transparência em anúncios políticos. Os recursos já haviam sido divulgados em maio pela empresa, mas estavam funcionando em poucos países, como nos Estados Unidos. A medida tem como foco as eleições, valendo para conteúdos políticos em geral.

Os anúncios políticos impulsionados por páginas entraram na mira de questionamentos de autoridades e organizações da sociedade civil quando o Facebook passou a ser questionado pela influência em disputas como as eleições dos Estados Unidos de 2016 e o referendo de saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit.

A empresa foi bastante criticada pelo vazamento de dados de milhões de usuários, que teriam sido usados pela empresa britânica de marketing digital Cambridge Analytica, no pleito de 2016, em favor do ganhador, hoje o presidente Donald Trump. A possível influência de forças russas neste processo, por meio da plataforma, motivou a abertura de uma investigação no Congresso do país.

Os usuários poderão visualizar os anúncios que estão sendo promovidos por uma página. Isso não apenas caso eles apareçam nos conteúdos da linha do tempo (chamada de feed de notícias), mas também ao acessar o endereço de cada página. Isso valerá também para outros serviços da empresa, como Instagram e Messenger. Para acessar a informação, o usuário deve procurar pelo link “informações e anúncios”. Também haverá a possibilidade de denunciar este tipo de conteúdo.

Será criada uma identificação de anúncios políticos, para diferenciá-los de outros. Essa foi uma preocupação manifestada nos Estados Unidos, já que o design do feed de notícias não destacava este tipo de conteúdo, por vezes possibilitando a confusão deles com outros anúncios ou até mesmo com notícias não pagas.

Como a legislação brasileira só permite o anúncio pago nas eleições por candidatos, devem aparecer com este rótulo as publicações impulsionadas de quem está disputando algum cargo.

Outro recurso nas páginas será o chamado “arquivo”, onde ficarão os anúncios veiculados por aquele perfil. Este tipo de recurso foi cobrado por autoridades e especialistas pela preocupação de que a segmentação e personalização de anúncios poderia ser explorada por um candidato, enviando mensagens direcionadas a cada público que poderiam ser, inclusive, contraditórias entre si.

Com a possibilidade de acessar um arquivo, o eleitor pode ver tudo o que o candidato vai impulsionar na plataforma.

O Facebook anunciou também que serão disponibilizadas mais informações sobre as páginas, independentemente de veicularem ou não anúncios. O Facebook não detalhou que tipo de informações serão acrescidas, mas citou como exemplos os nomes antigos (é possível trocar os nomes das páginas na plataforma) e as datas de criação (recurso que pode ajudar a identificar perfis criados especificamente para eleições ou para determinadas ações, como impulsionar anúncios).

Além destas medidas, em abril a companhia já havia divulgado outras regras para as páginas. Entre elas, a fiscalização dos responsáveis por estes perfis, para garantir a identificação no caso de muitos seguidores. No primeiro trimestre, a empresa derrubou seis milhões de contas falsas por dia a partir deste tipo de monitoramento.

O Facebook argumentou que as medidas visam coibir o mau uso da plataforma.

“Ao lançar uma luz sobre todos os anúncios, bem como sobre as páginas que estão rodando esses anúncios, conseguiremos evitar abusos, ajudando a garantir que pessoas mal intencionadas tenham responsabilidade sobre os anúncios que fizerem”, afirmou o comunicado, assinado pelo diretor de gerenciamento de produto, Rob Leathern, e a diretora de marketing de produto, Emma Rodgers.

Na avaliação da advogada especialista em direito digital e integrante do Comitê Gestor da Internet no Brasil Flávia Lefévre, a possibilidade de acessar os anúncios independentemente do que aparece no feed de notícias ajuda a furar as “bolhas” causadas pela seleção de conteúdos operada pelos algoritmos do Facebook.

Por outro lado, a advogada se preocupa com a fiscalização dos responsáveis pelas páginas. “A possibilidade de você ter um pseudônimo, uma conta alternativa, fortalece sua liberdade de expressão. A gente tem tido casos de jornalistas e comunicadores ameaçados e sendo mortos porque defendem determinadas ideias, então isso pode calar a boca de muita gente”, alertou.

0
0
Clique para comentar
Publicidade

Rede social

Rede social Pinterest estreia na bolsa com alta de 28%

Cotados no começo do dia a US$ 19, os papeis da startup encerraram o pregão vendidos a US$ 24,40

ubiie Redação

Publicado

em

As ações da rede social de compartilhamento de fotos Pinterest subiram 28,5% ontem, na estreia da empresa na bolsa de valores de Nova York. Cotados no começo do dia a US$ 19, os papeis da startup encerraram o pregão vendidos a US$ 24,40 – a valorização fez a empresa ser avaliada em US$ 16 bilhões. Além disso, o serviço de chamadas de vídeo Zoom também abriu seu capital, em valorização de 72%.

Os bons números das duas ofertas públicas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês) mostram o apetite de Wall Street por aberturas de capital de tecnologia em 2019. “Quando se vê uma alta expressiva assim, há um indicador claro que a empresa gera interesse no mercado logo no início”, disse Chris Larkin, vice-presidente da consultoria E*Trade Financial Corp, à agência de notícias Reuters.

No caso do Pinterest, a expectativa é de que a empresa – a primeira rede social a abrir capital desde o Snapchat, em 2017 – seja capaz de ter uma investida a longo prazo no mercado, dada sua capacidade de crescer em receita e em número de usuários. “Há muitas empresas que se atrapalham ao focar no curto prazo e nas notícias que saem na imprensa, mas estamos focados em construir a melhor versão possível do Pinterest nos próximos anos”, disse Todd Morgenfield, diretor financeiro da empresa, em nota.

No final de março, o Pinterest tinha 291 milhões de contas ativas – alta de 22% contra o mesmo período do ano anterior. Fundada em 2010 por Ben Sillberman, Evan Sharp e Paul Sciarra, a empresa permite que usuários procurem por imagens de tópicos como decoração, moda ou viagens – com os resultados, chamados de pins (alfinetes) é possível criar “paineis de inspiração”. Para faturar, o Pinterest permite que anunciantes sugiram “alfinetes” para os usuários com seus produtos.

Além de Pinterest e Zoom, o maior rival do Uber nos EUA, o Lyft, também entrou na bolsa em 2019, embora tenha apresentado resultados decepcionantes até aqui, com as ações operando 20% abaixo do preço do IPO. Até o final do ano, ainda há a expectativa da chegada do Uber, do aplicativo de comunicação corporativa Slack e também do Airbnb, outro representante da economia compartilhada.

0
0
Continuar lendo

Rede social

Instagram, Facebook, WhatsApp teriam parado de funcionar na Europa

Segundo dados do serviço de monitoramento Downdetector, as plataformas de mídias sociais estariam fora do ar em vários países europeus, nomeadamente no Reino Unido e na Itália.

ubiie Redação

Publicado

em

O Downdetector, um serviço que monitora o funcionamento de sites populares, relatou interrupções no Instagram, Facebook e WhatsApp na Europa.

Além disso, o site também comunicou problemas de funcionamento no Messenger do Facebook que, de acordo com a fonte, afetaram principalmente os países europeus.
Até o momento as razões de falhas não foram esclarecidas.

WhatsApp e Instagram fazem parte do Facebook INC.

Não tendo acesso normal a nenhuma das três plataformas, os internautas se dirigiram para o Twitter onde compartilharam sua indignação pelo mau funcionamento.

Como se não bastasse receber publicidade no Facebook, agora nem posso falar com meus amigos!

O Instagram falhou, foram para o Twiter, o Facebook falhou, foram para o Twitter. O que acontecerá se o Twitter também falhar?

Facebook e Instagram estão fora do ar de novo….

0
0
Continuar lendo

Rede social

Sérgio Moro entra no Twitter (o que é um pouco inusitado) e vira meme

Ministro já foi alvo de vários memes após a primeira publicação

ubiie Redação

Publicado

em

O ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro aderiu ao Twitter nesta segunda-feira (4) e já se tornou um dos assuntos mais comentados da rede social. Apesar de ter a conta verificada, o ex-juiz da Lava Jato achou que era ele mesmo o responsável pela conta e postou uma imagem curiosa.

“Provando que esse twitter é meu mesmo (o que é um pouco inusitado)”, escreveu o ministro na legenda de uma foto, na qual apareceu com um calendário da Caixa Econômica Federal com a data 4 de abril destacada.

Como na internet ninguém perdoa nada, a enxurrada de memes começou em seguida:

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
110,20
JPY +0,11%
4,10
BRL –0,01%
1EUR
Euro. European Union
=
122,94
JPY +0,04%
4,57
BRL –0,08%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
880.660,36
JPY +9,16%
32.754,16
BRL +9,05%

Tokyo
18°
Mostly Cloudy
MonTueWed
23/19°C
22/16°C
24/17°C

São Paulo
20°
Showers in the Vicinity
SunMonTue
min 16°C
25/15°C
27/14°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana