Siga-nos

Brasil

91

Tempo estimado para a leitura: 4minuto(s) e 22segundo(s).

Busca por eleição na internet é a maior desde 2004

O interesse dos internautas pelo tema ‘eleição’ foi 66,7% maior do que no mesmo período de 2016 e de 2014

ubiie Redação

Publicado

em

As eleições deste ano são as que mais despertaram o interesse dos eleitores na internet durante um primeiro semestre desde 2004. Levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo na plataforma Google Trends – que analisa estatísticas de pesquisas no maior buscador da rede – marca cinco pontos de interesse pelo tema neste primeiro semestre, contra 3 em 2014 e 2016, por exemplo, anos também marcados pela realização de eleições. Em 2004, o resultado foi de 6, numa escala que vai de 0 a 100.

Historicamente, o pico das pesquisas costuma acontecer a partir de agosto, se prolongando até o momento da eleição. O levantamento mostrou ainda que, em junho, o interesse dos internautas pelo tema “eleição” foi 66,7% maior do que no mesmo período de 2016 e de 2014.

O Google Trends utiliza uma fórmula que relativiza a quantidade de acessos por período, permitindo a comparação nessa série histórica sem distorções. Ou seja: mesmo que, em números absolutos, mais pessoas tenham acesso à internet e pesquisem mais por um determinado tema em 2018 do que na década passada, o que será captado é o total de buscas por um tema em relação a todas as pesquisas feitas na plataforma naquele período.

O mesmo vale para comparar diferentes Estados, por exemplo. A plataforma vai dizer qual Estado teve mais buscas sobre um tema de acordo com o total de buscas naquela região, de forma relativa. Com isso, é possível fazer comparações entre Estados com populações diferentes.

Os dados acompanham a “antecipação” do período eleitoral feito por pré-candidatos na internet. Conforme mostrou o Estado no início de junho, embora o horário eleitoral na TV só comece no dia 31 de agosto, pré-candidatos se anteciparam a esse prazo e passaram a veicular em suas redes sociais programas políticos no estilo usado para pedir votos na TV e no rádio. Segundo especialistas, esse é um dos motivos para o resultado da pesquisa.

“Não se tem ainda o início da propaganda da TV e na rádio. A formalização das candidaturas não foi feita e existe um ambiente de incerteza. Isso já é uma diferença em relação aos anos anteriores, por causa da minirreforma política. Hoje é possível fazer a propaganda nas redes, fazer crowdfunding. Isso muda o comportamento dos pré-candidatos”, diz a professora de Ciência Política da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (Fespsp), Tathiana Chicarino.

Período eleitoral

As estatísticas até junho apontam apenas o início do interesse pelo tema. Quando se considera a série histórica em períodos eleitorais desde 2004, é possível perceber que há aumento constante nas buscas a partir de agosto (entre 10 e 20 pontos), com pico em outubro (90 ou mais pontos). O ano de 2016 foi o que registrou o maior interesse em outubro, com 100 pontos.

Se analisadas as consultadas relacionadas ao tema das eleições, a plataforma aponta que as principais preocupações do brasileiro nos últimos 12 meses estão relacionadas ao cadastramento da biometria: 8 dos 25 termos mais buscados dizem respeito a como e quando se recadastrar para votar. A mudança passou a ser obrigatória em parte dos municípios no País neste ano.

Tocantins foi o que mais buscou pelo tema neste período no País, em termos proporcionais (em relação à população total) – os eleitores do Estado tiveram de escolher um novo governador no domingo passado, depois da cassação do ex-governador Marcelo Miranda (MDB) e de sua vice, Cláudia Lelis (PV). Ambos foram considerados culpados por captação ilegal de recursos pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) durante a campanha de 2014. Pela mudança de agenda, os internautas de Tocantins tiveram um pico de buscas por eleição entre os dias 3 e 9 de junho.

Polêmicas

O levantamento feito na plataforma Google Trends, considerando o período desde 2004, mostra que as buscas pelos pré-candidatos disparam em momentos polêmicos, discussões ou tragédias.

Líder nas pesquisas nos cenários sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (condenado e preso na Lava Jato), o presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, aparece com destaque na internet basicamente em dois momentos: quando sai em defesa da ditadura militar e seus personagens ou quando se envolve em alguma polêmica ou processo. O auge de Bolsonaro, com 100 pontos (representando o momento em que mais se pesquisou sobre ele desde 2004) foi quando o deputado federal homenageou o coronel Brilhante Ustra na votação do impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff, em abril de 2016. O mesmo aconteceu quando foi denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF) por racismo, com 85 pontos, e quando reportagens vasculharam antigos atos de indisciplina no Exército, com 59 pontos.

á Ciro Gomes (PDT) atingiu seu pico nas buscas do Google ao participar de um episódio envolvendo Arthur Moledo do Val. O youtuber acusa ter sido agredido por Ciro, em vídeo que viralizou na rede. O momento rendeu 93 pontos.

Marina Silva, da Rede, e Geraldo Alckmin, do PSDB, guardam um aspecto em comum – ambos só aparecem com mais firmeza nas buscas em momentos próximos da eleição ou por conta de tragédias. A morte de Eduardo Campos durante o período eleitoral de 2014 fez Marina atingir 75 pontos nas pesquisas por seu nome no Google, segunda vez em que mais se pesquisou a pré-candidata, perdendo somente para quando ficou em 3º. lugar nas eleições em 2010. Alckmin também foi mais buscado quando perdeu o filho em um acidente de helicóptero.

Nomes que exploram a imagem do novo no cenário eleitoral, os empresários Flávio Rocha (do PRB) e João Amoêdo (do Novo) se destacaram nas buscas quando apareceram em entrevistas ou durante o lançamento de suas pré-candidaturas. Já Henrique Meireles, do MDB, ganha protagonismo quando assumiu o Ministério da Fazenda no governo Temer.

O pré-candidato Guilherme Boulos, do PSOL, teve pico de audiência de 63 pontos em junho de 2005, quando liderou invasão de sem-teto a um terreno da Volkswagen, em São Bernardo do Campo.

1
0
Clique para comentar
Publicidade

Política

PF vê indícios de que Temer recebeu R$ 5,9 milhões em propina

Presidente foi indiciado, nesta terça-feira (16), em inquérito que investiga favorecimento de empresas portuárias

ubiie Redação

Publicado

em

O relatório final da Polícia Federal vê indícios de que o presidente Michel Temer (MDB) recebeu diretamente R$ 5,9 milhões de propina no setor portuário.

De acordo com o texto, assinado pelo delegado Cleyber Malta Lopes, os valores teriam sido pagos pela Rodrimar, pelo grupo J&F e pelo grupo Libra, em doações oficiais e em dinheiro vivo.

A PF afirma que “o setor portuário sempre foi área de influência e interesse do MDB e do presidente” e por isso as indicações até hoje são feitas pelo partido.

O relatório da polícia aponta que o coronel João Baptista Lima Filho é o intermediador do emedebista há pelo menos 20 anos.

A PF enviou nesta terça (16) ao STF (Supremo Tribunal Federal) o indiciamento do presidente e mais dez pessoas. O relator do caso é o ministro Luís Roberto Barroso. O Ministério Público é quem tem competência para fazer a denúncia.

A polícia pediu a prisão de quatro investigados, entre eles, o coronel Lima. Eles estão impedidos de deixar o país.

No relatório, que tem quase 900 páginas, Malta Lopes descreve que havia uma engenharia financeira para a lavagem de dinheiro, à disposição principalmente de Temer, que funciona há pelo menos 20 anos.

O delegado coloca em dúvida, no entanto, que os donos sejam os que aparecem no papel, Lima e seu sócio, Carlos Costa.

“Lima e Costa criaram uma dezena de outras empresas, já identificadas, utilizando-se da estrutura oficial da Argeplan, visando transferência de recursos ou patrimônio, de forma oculta ou dissimulada e em benefício próprio e de terceiros. Numa engenharia que tem servido para lavagem de dinheiro, posta principalmente a disposição do Senhor Michel Temer, ao longo dos últimos 20 anos”.

Aberto em 2017, o inquérito buscava esclarecer se Temer recebeu, por meio do militar aposentado, propina em troca da edição de um decreto que teria beneficiado companhias que atuam no porto de Santos.

A medida assinada por Temer permitiu ampliar de 25 para 35 anos os prazos dos contratos de concessões e arrendamentos no porto firmados após 1993.

Outro ponto do relatório da PF é uma reforma realizada na casa da filha do emedebista, entre 2013 e 2015. Conforme a Folha de S.Paulo revelou em abril, a mulher do coronel, Maria Rita Fratezi, pagou em dinheiro vivo despesas da obra do imóvel de Maristela Temer.

Os indiciados pela PF são: Michel Temer, sua filha, Maristela Temer, Rodrigo Rocha Loures, seu ex-assessor, Antonio Greco, ex-diretor da Rodrimar, Ricardo Mesquista, também da Rodrimar, Gonçalo Torrealba, diretor do grupo Libra, o coronel João Baptista Lima Filho e sua mulher, Maria Rita Fratezi, amigos de Temer, Carlos Alberto Costa e seu filho, diretor da Argeplan, e Almir Ferreira, contador da Argeplan.

A defesa do presidente ainda não se manifestou.

0
0
Continuar lendo

Política

Chapa de Haddad entra com ação e pede inelegibilidade de Bolsonaro

Coligação quer que TSE apure suposto abuso de poder econômico por parte do candidato do PSL

ubiie Redação

Publicado

em

A coligação do presidenciável do PT, Fernando Haddad, entrou nesta quarta-feira (17), com uma nova ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para apurar suposto abuso de poder econômico por parte do candidato do PSL, Jair Bolsonaro, à Presidência da República. A defesa do petista aponta colocação “de forma ilegal” de dezenas de outdoors pelo Brasil. O vice de Bolsonaro, general Hamilton Mourão (PRTB), também é alvo da ação.

A coligação de Haddad pede, ao fim das investigações, que seja declarada a inelegibilidade de Bolsonaro para os próximos oito anos seguintes à eleição de 2018.

No início do mês, a campanha do petista já havia entrado com uma outra ação similar, contestando o apoio de uma empresa de ar condicionado à candidatura de Bolsonaro.

A defesa do candidato do PT aponta levantamento da Procuradoria-Geral Eleitoral que identificou em 33 municípios a presença de outdoors com padrões e mensagens semelhantes, distribuídos em 13 Estados, “comprometendo de forma clara o próprio processo eleitoral”, alega a campanha, que anexou na ação fotos de alguns dos outdoors.

Para os advogados de Haddad, a uniformidade das peças publicitárias estampadas nos painéis releva a existência de uma “ação orquestrada”, não sendo uma “singela manifestação de apoiadores desavisados”.

Eles também alegam que a campanha do oponente tem “total conhecimento das práticas”. “O caráter eleitoral do conteúdo dos outdoors é evidente, além de demonstrar potencial suficiente a comprometer o equilíbrio do pleito eleitoral de 2018”, afirmam.

Segundo a campanha do petista, a ausência do CNPJ nas peças indicam que os custos para sua produção e locação do espaço publicitário não estarão nas prestações de contas eleitorais de qualquer candidato, violando, na visão da defesa, a transparência necessária das contas eleitorais.

“Resta claro o abuso de poder econômico na medida que a campanha do candidato representado ganha reforço financeiro que não está compatibilizado nos gastos da campanha, todavia os resultados da propaganda serão por ele usufruídos”, concluem. A ação também destaca que a Lei das Eleições veda a propaganda eleitoral feita em outdoors.

O relator do processo apresentado pela coligação de Haddad é o Corregedor-Geral da Justiça Eleitoral, Ministro Jorge Mussi, que decidirá pela abertura ou não da ação.

O tipo de processo apresentado pelo PT, “ação de investigação Judicial Eleitoral” está previsto na Lei das Eleições. O texto prevê algumas sanções para quem é condenado por esse tipo de ação, como a declaração de inelegibilidade para as eleições a se realizarem nos oito anos seguintes ao pleito em que o fato investigado foi verificado.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo e ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) publicada no último dia 6, Mussi disse a Justiça Eleitoral “atuará com serenidade e firmeza para coibir toda e qualquer conduta que puder atentar contra o regime democrático, a lisura e a normalidade do pleito e a igualdade de oportunidades entre os candidatos”.

A reportagem entrou em contato com a campanha e defesa de Bolsonaro, mas não teve retorno até a publicação deste texto.

0
0
Continuar lendo

Política

Polícia Federal indicia Temer por corrupção e lavagem de dinheiro

Maristela, filha do presidente, também foi indiciada pela PF

ubiie Redação

Publicado

em

A Polícia Federal concluiu o inquérito que investigava Michel Temer e o grupo político dele sobre o recebimento de propina em troca de benefícios a empresas do setor portuário e indiciou o presidente e a filha Maristela por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

De acordo com o jornal “O Globo”, outras 10 pessoas também foram indiciadas.

O relatório final aponta que o presidente usou empresas de João Baptista Lima, coronel reformado da PM e amigo de longa data do presidente, para receber dinheiro indevido da companhia Rodrimar. A empresa Libra, que assim como a Rodrimar também é concessionária de áreas do porto de Santos, também foi apontada no documento da PF por cometer crimes em pagamentos.

Ainda segundo informações de “O Globo”, o relatório da Polícia Federal foi enviado ao Supremo Tribunal Federal nesta terça-feira (17), prazo máximo estabelecido pelo ministro Luís Roberto Barroso.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, também receberá o relatório e decidirá se oferece denúncia contra Temer. A PF já solicitou o bloqueio de bens de Temer e dos demais envolvidos e pediu a prisão prisão preventiva do coronel Lima, seu sócio Carlos Alberto Costa, sua mulher Maria Rita e o contador Almir Martins Ferreira, todos indiciados.

Vale lembrar que o presidente já havia sido denunciado outras duas vezes por Rodrigo Janot, antecessor de Dodge, em casos que envolveram a delação do grupo J&F. No entanto, o Congresso barrou a abertura de ação penal.

O presidente Michel Temer ainda não se manifestou sobre o relatório final da investigação, que durou 13 meses.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
112,54
JPY –0,08%
3,68
BRL –0,18%
1EUR
Euro. European Union
=
129,43
JPY –0,08%
4,23
BRL –0,18%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
728.048,91
JPY –0,23%
23.814,80
BRL –0,33%

Tokyo
16°
Partly Cloudy
ThuFriSat
min 13°C
19/14°C
21/13°C

São Paulo
25°
Fair
ThuFriSat
27/19°C
22/14°C
19/12°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana