Siga-nos

Curiosidade

164

Tempo estimado para a leitura: 1minuto(s) e 32segundo(s).

Pesquisadores encontram amuleto com mil anos, único em seu gênero (FOTO)

Durante as escavações em uma das áreas mais antigas de Jerusalém, os arqueólogos encontraram um pequeno amuleto islâmico com cerca de 10 séculos de antiguidade, informou o jornal Haaretz.

ubiie Redação

Publicado

em

De acordo com a Autoridade de Antiguidades de Israel, o achado data dos séculos IX e X d.C., a época do Califado Abássida, terceiro califado islâmico.

O talismã tem uma inscrição bem preservada de duas linhas, em árabe, que pode ser traduzida como “Kareem crê em Alá, o Senhor dos Mundos é Alá”, sendo Kareem provavelmente o nome do dono do amuleto. “Este tipo de amuletos serviam para proteção pessoal”, comentou Yiftah Shalev, professor da Autoridade de Antiguidades de Israel, em entrevista a Haaretz.
O talismã foi encontrado durante as escavações de um local anteriormente conhecido como o estacionamento de Givati, situado ao sul do Monte do Templo, área considerada o primeiro núcleo habitado da cidade.


Amuleto islâmico encontrado durante escavações em Jerusalém

Fino e pequeno, o amuleto pode ser único em seu gênero, assinalaram pesquisadores.

Como é feito de argila friável, os investigadores acreditam que havia muitos outros objetos semelhantes, contudo, todos foram destruídos ao longo dos séculos, explicou Shalev. Provavelmente, este foi preservado por estar selado sob o fundamento de uma casa.

Não há como saber se o talismã foi deliberadamente colocado sob o fundamento durante a construção, como uma espécie de ritual (para proteger a casa com a ajuda divina) ou se o suposto Kareem simplesmente o perdeu.

1
0
Clique para comentar
Publicidade

Você viu?

Viajar à Estação Espacial será mais rápido do que ir de Moscou à Bruxelas, diz chefe russo

Com a Rússia testando um trajeto mais rápido para abastecer a Estação Espacial Internacional (EEI), logo esta viagem será de apenas três horas, segundo Dmitry Rogozin, chefe da Roscosmos.

ubiie Redação

Publicado

em

Em julho, o cargueiro Progress usou um encontro de duas órbitas para alcançar a EEI pela primeira vez na história. A viagem durou cerca de 3 horas e 40 minutos. Rogozin prometeu tempos de viagem ainda mais curtos para os membros da tripulação e possíveis turistas espaciais quando o esquema for expandido para a espaçonave Soyuz.

“Em seis meses estaremos entregando tripulantes e turistas para a EEI mais rápido do que um voo de Moscou para Bruxelas”, escreveu ele no Twitter.

Durante décadas, lançamentos russos e norte-americanos viajaram por dois dias antes de ancorarem cuidadosamente a estação espacial. Um esquema de quatro órbitas e seis horas foi introduzido em 2012, tornando a viagem muito mais confortável.

Manobras rápidas de encontro foram historicamente usadas quando a URSS e os EUA estavam desenvolvendo suas tecnologias de ancoragem espacial, mas essas missões exigiam que o navio alvo fosse colocado em uma órbita especial.

O recorde mundial de tempo entre o lançamento e o encaixe é realizado pela missão Soyuz não-tripulada soviética de 1968, visando a estação Kosmos-213, que levou apenas 47 minutos. O encontro mais rápido foi feito por Georgy Beregovoy em cerca de uma hora, mas o processo de atracação foi abortado.

Mas a operação a longo prazo da estação espacial exigia uma órbita menos adequada para um encontro rápido, o que fazia com que as viagens ao Skylab, à Mir e agora à EEI levassem mais órbitas e tempo.

A próxima missão de suprimento de progresso de órbita da Rússia está marcada para março.

0
0
Continuar lendo

Mistério

‘Pirâmide’ descoberta na Indonésia pode ser a mais antiga do mundo

Uma pirâmide que pode ser a mais antiga encontrada até o momento no mundo foi descoberta no cume do monte Padang, em Java Ocidental, na Indonésia.

ubiie Redação

Publicado

em

Uma equipe de cientistas e geólogos indonésios apresentou no dia 12 de dezembro a descoberta de uma estrutura piramidal. A estrutura está localizada debaixo de um sítio arqueológico descoberto no início do século XIX, e abriga filas de pilares de pedra antigos.

Com o uso de radar de penetração no solo, tomografia de raios X, imagens 2D e 3D, perfurações e escavações, os pesquisadores descobriram várias camadas de uma estrutura que se estende por uma área de cerca de 150 mil metros quadrados. A pirâmide teria sido construída ao longo de milênios, as várias camadas representam diferentes períodos.

Na parte superior da pirâmide há pilares de basalto que emolduram terraços escalonados com arranjos de colunas rochosas “formando paredes, passagens e espaços”. Segundo os pesquisadores, essa camada remonta de 3.000 a 3.500 anos atrás.

Abaixo da superfície, a uma profundidade de cerca de 3 metros, há uma segunda camada de colunas rochosas semelhantes com idades entre 7.500 e 8.300 anos. Uma terceira camada, que se estende a 15 metros abaixo da superfície, tem mais de 9.000 anos, podendo mesmo ter até 28.000 anos, indica o estudo. Se esses dados forem confirmados, seria a mais antiga estrutura piramidal conhecida até hoje.

Embora a estrutura se assemelhe a uma pirâmide, ela é diferente das pirâmides construídas pelos maias, esclareceu ao Live Science Danny Hilman Natawidjaja, cientista do Instituto de Ciências da Indonésia.

“É um templo único”, disse Natawidjaja.

Atualmente as pessoas usam o topo do monte Padang como um lugar sagrado para oração e meditação.

1
0
Continuar lendo

Mistério

Vala comum de 3.500 anos é encontrada no Egito repleta de sarcófagos de bebês (FOTOS)

A quantidade de crianças e mulheres que foram enterradas indica que uma sociedade completa, de famílias inteiras, vivia e trabalhava na região.

ubiie Redação

Publicado

em

Uma missão arqueológica sueco-egípcia, liderada por Maria Nilsson e John Ward (ambos da Universidade de Lund, Suécia), descobriu em Gebel el-Silsila uma enorme vala comum da época da XVIII dinastia, segundo anúncio de Mustafa Wasiri, secretário-geral do Ministério de Antiguidades do Egito.

A vala comum se encontra a cinco metros de profundidade e possui duas câmaras sem decoração. Está repleta de água, necessitando, assim, bombeio para ser possível escavar. Vale destacar que recentemente houve uma tentativa de saque, o que dificultou ainda mais as escavações por grande quantidade de areia e lama.

Cronologicamente, há indicações de enterros de ao menos três gerações, que vão de Tutmés II a Amenófis II, ou seja, de 3.400 anos atrás. Os arqueólogos registraram restos mortais de pelo menos 50 indivíduos, com metade correspondendo a crianças, e acreditam que o número de cadáveres aumentará.

Em nenhuma outra vala encontrada na região havia restos mortais de tantas pessoas. Além do número recorde de cadáveres, a quantidade de restos mortais de crianças e mulheres é impressionante e indica que havia uma sociedade completa, com famílias inteiras, que vivia e trabalhava na localidade, conhecida antigamente como Jeny.

Até então, foram descobertos três sarcófagos de arenito, dois dos quais foram escavados e continham os retos mortais de um bebê e de uma criança pequena. O terceiro sarcófago também foi feito para um bebê. As escavações continuarão até fim do ano. Além dos sarcófagos, foram encontrados escaravelhos, amuletos, braceletes, ânforas, jarros de cerveja, tigelas, frascos e outros recipientes.

Abdel Moniem, diretor-geral do Departamento de Antiguidades de Aswan, declarou que o grupo está avaliando a preservação da vala já que a movimentação de água e areia tem deteriorado o interior, onde estão os restos mortais e artefatos.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
112,36
JPY –0,15%
3,90
BRL –0,28%
1EUR
Euro. European Union
=
128,13
JPY +0,10%
4,45
BRL –0,03%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
432.514,51
JPY +4,15%
15.019,34
BRL +4,02%

Tokyo
Clear
WedThuFri
min 4°C
13/3°C
13/7°C

São Paulo
26°
Fair
WedThuFri
29/22°C
33/22°C
33/22°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana